Movimento Passe Livre não vai participar dos protestos atuais. Em Mauá haverá manifestação

ônibus

Movimento Passe Livre diz que manifestações em São Paulo perderam as características e que não vai participar dos atuais atos. Em Mauá, na Grande São Paulo, grupo deve protestar contra tarifa, má qualidade de serviço e risco de volta do monopólio dos transportes.

Movimento Passe Livre desiste de fazer manifestações em São Paulo
Segundo o grupo, as mobilizações perderam o foco e viraram palcos para partidos políticos
ADAMO BAZANI – CBN
Em entrevista exclusiva ao jornalista Juliano Dip, apresentador da Rádio CBN em São Paulo, o integrante do Movimento Passe Livre, Douglas Belome, disse que o grupo não vai mais participar de protestos e manifestações na Capital Paulista e em parte da região Metropolitana de São Paulo.
Segundo Belome, as manifestações estão perdendo o foco e virando espaço para promoções políticas.
A série de vandalismo também foi um dos motivos da saída.
“Nosso objetivo é discutir transportes, mobilidade, tarifas. Não podemos promover partidos políticos ou mesmo nos levantar contra os partidos. Para nós, o interessante é que haja um dia em São Paulo e nas cidades vizinhas tarifa zero. Só com tarifa zero teremos transportes públicos de fato” – disse.
Nesta quinta-feira o Movimento Passe Livre abandonou o protesto da Avenida Paulista quando o ato se transformou em manifestação envolvendo partidos políticos.
Douglas disse que as manifestações assumiram características conservadoras e com oportunismo de diversos personagens.
A ação do Movimento Passe Livre deu início à série de manifestações em São Paulo que incentivaram atos em todo o País.
Depois das manifestações, o prefeito Fernando Haddad, e o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin , anunciaram que nesta segunda-feira as passagens de ônibus municipais, trens e metrô vão ser reduzidas de R$ 3,20 para R$ 3,00. Eles se queixaram da necessidade cortes em investimentos. Outras cidades também vão reduzir as tarifas.

MAUÁ DEVE TER MANIFESTAÇÃO:

Mesmo com o anúncio da redução das tarifas de ônibus no ABC Paulista, de R$ 3,20 para R$ 3,00 em seis cidades, parte da população da região está insatisfeita com os valores e com a prestação de serviços dos transportes públicos.
Em Mauá, deve ser realizada uma manifestação a partir das 17 horas nas proximidades do Terminal Central.
O grupo quer que a tarifa seja reduzida para R$ 2,90 e não R$ 3,00. O valor era o praticado pelas empresas de ônibus antes dos reajustes no final do ano passado.
Mas não é apenas a tarifa que traz descontentamento na população. Os manifestantes reclamam da baixa qualidade de parte da frota na cidade, descumprimento de horários e itinerários , das condições precárias do terminal e temem a volta do monopólio dos serviços.
Por 30 anos, os transportes foram controlados por um empresário: Baltazar José de Sousa, que hoje é procurado pela Polícia Federal e se encontra foragido junto com o filho Dierly. Ele é considerado pelo Ministério Público Federal um dos maiores devedores da União, com débitos de R$ 234 milhões, só de encargos e tributos federais.
Em 2010, o monopólio foi quebrado com a entrada da empresa paranaense Leblon Transporte. Apesar de precisar de melhorias, a população considera que a entrada da empresa representou avanços, como na frota, no gerenciamento e operação. As diferenças entre a Leblon e a Viação Cidade de Mauá, de Baltazar, são reconhecidas pelo próprio poder público.
Mas desde quando começou a operar, a Leblon disputa na Justiça o direito de prestar serviços no lote 02 contra a Viação Estrela de Mauá.
A Viação Estrela de Mauá foi fundada por Baltazar para participar da licitação dos transportes. Para desconfigurar o monopólio, em 2008, a empresa foi passada para os nomes de Anísio e Anísio Bueno Júnior. Descoberta a relação deles com Baltazar outros nomes apareceram. Desde 11 de julho de 2012, figura como presidente da Viação Estrela de Mauá, David Barioni Neto. David Barioni Neto foi executivo de Constantino de Oliveira, fundador da Gol Linhas Aéreas, e que começou em meados dos anos 80 a atuar no ABC no chamado Grupo dos Mineiros, composto também por outros empresários, como o próprio Baltazar José de Sousa e Ronan Maria Pinto, dono também do jornal Diário do Grande ABC, jornal local.
Dois dias depois de Barioni ter assumido uma empresa sem contrato e sem ônibus, a Prefeitura de uma vez só descredenciou a Leblon, habilitou a Trans-Mauá e Estrela de Mauá, fundadas por Baltazar e deu a vitória para a Estrela de uma licitação de 2008, alegando ser uma ordem do STJ.
O Superior Tribunal de Justiça negou a decisão e a prefeitura teve de voltar atrás.
Na transição entre os prefeitos Oswaldo Dias e Donisete Braga, por ato administrativo feito durante férias do judiciário, a Estrela de Mauá começou a operar no final de dezembro e início de janeiro junto coma Leblon, no lote 02.
Ao voltar do recesso, a Justiça considerou como ilegal o ato da Prefeitura e desde janeiro os ônibus da Estrela de Mauá estão impedidos de circular pela Justiça.
Há mais de quatro meses os funcionários da Estrela de Mauá não recebem salários.
A empresa perdeu recursos jurídicos e os atos administrativos para retirar a Leblon foram derrubados pela Justiça.
Então, o grupo da Estrela de Mauá, acompanhado de perto pela Prefeitura de Mauá, propôs a compra da Leblon Transporte.
A volta do monopólio, mesmo que disfarçado, não é bem visto pela população.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBVN, especializado em transportes

9 comentários em Movimento Passe Livre não vai participar dos protestos atuais. Em Mauá haverá manifestação

  1. A prefeitura submissa do empresário é que torna o transporte ruim , enquanto tem gente que reclama que o ônibus demora , é tudo igual , etc. A culpa é da prefeitura que a população escolheu para ficar no Município , os ptralhas e caudilhos querem de qualquer forma a permanência da barão , que a mais de trinta anos explorou a nossa sociedade e o que eles ofereceram de bom ? – A péssima prefeitura não tem que ficar inventando linha e dar de presente para empresário , enquanto tem uns com muito tem outros com menos , devia inventar um tal radial e colocar no Pq.Das Américas , um tal radial na V.Mercedes , Pq. São Vicente…..Aqui na linha 088 tinha quatro ônibus circulando , mas os engenheiros de tráfego acha que é muito e manda tirar , aumentando o intervalo , só que diminuiram o intervalo do Cruzeiro e o tal radial , prejudicando assim a nossa linha. Depois eu acrescento mais.

  2. Moro em mauá e pego muito onibus do il. Mercedes , e realmente demora muitooo, e quando vem, vem lotado e sem assentos para se sentar, Bem quando nós vamos pegar esse onibus todos ficam te empurrando, até empurram crianças! Absurdoo!!!…

  3. Amigos, bom dia

    Só para lembrar, “tarifa zero” nunca existirá.

    Sempre haverá um custo.

    E o pagamento só pode ser feito de duas maneiras.

    Na catraca, ou nos carnêzinhos dos impostos, taxas, tarifas e o escambal.

    Tem-se é de lutar para que o serviço seja prestado de acordo com o contrato firmado e com qualidade
    e respeito aos passageiros.

    O resto é ficção ou balela.

    Reflitam !

    Att,

    Paulo Gil

  4. Ewerton Santos Lourenço (Guarulhos) // 24 de junho de 2013 às 12:32 // Responder

    Eu não acredito que deixaram de lado, bando de oportunistas!! O Estado de São Paulo necessita de mais coisas além de Transporte Publíico Decente, de que adianta ter um Transporte Decente sendo que a Onda de Manifestações parar nós iremos retroceder?!? O Descaso destes Capitalistas que sugam todo o nosso dinheiro com seus impostos não pode continuar nessa situação assim com eles agindo com negligencia. Agora que o Brasil acordou pra vida, eles criam mecanismos pra coibir de monitorar as falcatruas escondidas de baixo dos “Tapetes”. Agora mais que nunca TODOS nós devemos parar de aceitar as coisas pela metade e ir pra ruas protestar não por apenas nós. Mas pelos os nossos Filhos e pelo Brasil.

    Eu agora me sinto de alma lavada, porque vi a Minha Cidade Guarulhos indo pra ruas protestar por melhorias, só faltou uma coisa. Os PNE’s protestar por mais Acessibilidade e Inclusão, porque eles também independente das condições são Cidadãos como Eu. Isso ai Brasil vamos á forra mostrar que no Brasil não tem Gente Alienada e Pessoas Tenazes que sabem o que quer.

  5. Agora o movimento passe livre não precisa mais da população para manifestar nas ruas,mas e o restante das reivindicações que o povo quer,agora é a hora do movimento passe livre se unir para ajudar quem os ajudou!!

  6. Alguns falam em “tarifa zero”, o Movimento intitula-se “Passe Livre”, porém mais importante que as denominações é que abolir as catracas implica (se for feito como se deve) em toda uma alteração da lógica de financiamento do transporte público, que acaba recaindo quase todo sobre o bolso do passageiro… Por isso as prioridades tem que mudar, e o imposto progressivo é importante para fazer com que parte os valores bilionários relacionados ao transporte individual contribuam com o transporte coletivo…

  7. Pedro luiz correa jr. // 28 de junho de 2013 às 08:08 // Responder

    Hoje 28/06/2013, correm boatos na cidade , que Baltazar teria comprado a empresa leblon transportes para continuar o monpolio na cidade.
    Sera este fato real, pois o rastredor de linhas da leblon transportes ja nao funciona a alguns dias e alguns carros(2415) da empresa leblon se recusam a parar nos pontos quando solicitado pelo usuario da linha(092).
    Este fato ocorreu com a minha pessoa ontem(27/06/2013) as oito horas da noite no bairro.

  8. REGIANE M. MAUÁ

    O descaso com a população de Mauá é um absurdo, tarifa mais cara do que a da cidade de São Paulo, não tem integração com o trem, uma vergonha.
    A dificuldade da população, que depende do péssimo serviço prestado pelas empresas Leblon e Estrela são péssimo.
    Fico no terminal por mais de 30 minutos esperando um ônibus e ainda pagar por isso R$3,30 é uma vergonha.
    Vamos revindicar nossos direitos como todo cidadão deve fazer.
    Donizete Braga, pra quem morou em Mauá, no Parque das Américas deixar a situação chegar onde está hoje, é mais que vergonhoso…seus pais ainda moram lá e também utilizam o serviço publico, já que você não pensa na população, lembre-se que você ainda tem uma família em Mauá, já que não faz nada pelo povo, faça pela sua família.
    Sou vizinha dos seus pais…então toma vergonha na cara.

  9. JÁ QUE NÃO SE PRESTA UMA SERVIÇO PUBLICO DESCENTE, ENTÃO QUE SEJA DE GRAÇA

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: