MAN recebe encarroçadores argentinos de olho no Euro V

ônibus

Encarroçadores argentinos se encontraram com técnicos da MAN no Brasil para conhecerem os chassis de tecnologia de redução de poluição com base nas normas internacionais Euro V. Padrão que vale no Brasil desde o ano passado, entra em vigor no ano que vem no país vizinho. Foto: Divulgação

MAN do Brasil recebe encarroçadores argentinos para Euro V
Normas de restrição à poluição no País vizinho entram em vigor no ano que vem
ADAMO BAZANI – CBN
No Brasil, a legislação de restrição à emissão de poluição com base nas normas internacionais Euro V entrou em vigor em 2012.
Na Argentina, o padrão deve ser seguido em 2014.
E assim como foi no Brasil, encarroçadores e operadores de transportes têm muitas dúvidas quanto ao valor dos ônibus, as inovações tecnológicas e se haverá falta de fluidos e de combustível mais limpos exigidos pela legislação.
Os argentinos buscam no Brasil as orientações e a troca de experiência para se preparem para esta nova fase dos transportes.
A MAN Latin America, que possui fábrica em Resende, no Rio de Janeiro, recebeu em sua planta encarroçadores argentinos que querem conhecer como são os chassis que seguem as especificações Euro V. O mesmo ocorreu com os fabricantes de carrocerias no Brasil entre 2011 e 2012.
De acordo com a MAN, dona da marca Volkswagen Caminhões e Ônibus, os fabricantes tiraram as dúvidas sobre as adaptações necessárias nas carrocerias para que os produtos sejam compatíveis aos novos chassis.
As carrocerias têm de ser homologadas pelas autoridades locais, mas devem seguir os mesmos padrões brasileiros.
Alguns modelos utilizam o Sistema de Redução Catalítica Seletiva, pelo qual, para atingir as metas estipuladas pela legislação, é usado um fluido chamado ARLA 32 (Agente Redutor Líquido Automotivo), que exige um novo sistema de escape e um tanque separado do reservatório do diesel para abrigar o fluido. Estes equipamentos a mais provocam adaptações nas carrocerias.
A MAN apresentou na ocasião seu motor MAN D08, produzido no Brasil. O propulsor dispensa o uso do ARLA 32 e usa o sistema de recirculação de gases. Com isso, não é necessário alterar a carroceria, mas o motor não é usado em todos os modelos de chassi.
A MAN tem 15 anos no mercado argentino e com este contato diz que pretende se aproximar ainda mais dos fabricantes do país e ampliar sua participação no mercado local.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: