CPTM: nunca houve um problema destas dimensões

CPTM

CPTM nunca tinha havido registrado um problema das proporções deste sábado que afetou ao mesmo tempo todas as seis linhas de trens. Em ocasiões anteriores, Governo do Estado suspeitou de sabotagens. Foto: Adamo Bazani.

CPTM: nunca houve um problema destas dimensões
Segundo diretor da Companhia, nunca uma ocorrência afetou todas as linhas ao mesmo tempo
ADAMO BAZANI – CBN
A CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – em conjunto com os bombeiros e polícia promete esclarecer o quanto antes as causas do princípio de incêndio nos dois compartimentos onde estavam os nobreaks (que impedem a interrupção repentina de energia elétrica) e baterias armazenadoras que afetou o CCO – Centro de Controle Operacional da estação Brás, região central da Capital Paulista.
Por causa da ocorrência, todas as seis linhas de trens metropolitanos ficaram sem serviços entre 13 horas e 17h30 deste sábado. Apenas a linha 10 Turquesa teve circulação parcial, entre as estações Rio Grande da Serra (ABC Paulista) e Tamanduateí (Capital). As demais cinco linhas foram totalmente interrompidas.
Neste período, os passageiros foram atendidos por ônibus de empresas municipais de São Paulo e intermunicipais da região Metropolitana que fizeram a operação PAESE – Plano de Atendimento entre Empresas em Situação de Emergência.
Em entrevista à Rede Globo, o diretor da CPTM, José Augusto Rodrigues Bissacot, disse que ainda é cedo para saber as causas do incidente, mas que nunca houve anteriormente um problema destas proporções que paralisasse todas as linhas. Nem mesmo os sistemas de reserva conseguiram fazer os trens operarem.
“Desconheço no passado recente qualquer situação onde houvesse uma paralisação de todas as linhas por conta do sistema de controle. O Centro de Controle é um sistema que tem muita redundância, muitas facilidades e alternativas de operação. Essa foi uma ocorrência que eu acho singular, porque em outras ocorrências, sistemas de back-up resolveram o problema. Desta vez houve uma singularidade”, afirmou.
Neste ano, depois de diversos problemas nas linhas da CPTM, o governador de São Paulo Geraldo Alckmin chegou a dizer que a empresa de trens estava sendo alvo de sabotagem.
No dia 04 de janeiro, parte da linha 9 – esmeralda foi paralisada no período da manhã. Um pedaço de madeira teria sido jogado na fiação dos trens por alguém que estava na Ponte do Morumbi.
“A Linha 9 foi revitalizada, os trens são novos. Isso aqui é sabotagem, é vandalismo e sabotagem, já foi comunicado à polícia”, disse Alckmin na ocasião.
No dia 25 de janeiro foi a vez de parte da linha 11 Coral ter os serviços parcialmente paralisados.
Um objeto de madeira e arame foi jogado sobre a fiação também.
“A suspeita é que o ato de vandalismo seja, na verdade, uma ação de sabotagem, pois o dispositivo sobre a rede elétrica provocou um curto circuito durante a passagem do primeiro trem naquele ponto, paralisando a via férrea” – dizia comunicado à imprensa emitido pela CPTM naquele dia.
Em abril do ano passado, o secretário de estado dos transportes metropolitanos, Jurandir Fernandes, já relatava a abertura de seis inquéritos para apurar suspeitas de sabotagens ao sistema de trens.
Para o problema deste sábado, apenas as investigações podem definir o que pode ter ocorrido.
No período que as seis linhas ficaram sem funcionar, em média passam pelos trens da CPTM 390 mil pessoas aos sábados.
A CPTM hoje conta com seis linhas, 127 trens, 89 estações em 260 quilômetros de linhas e é o único serviço de altíssima capacidade que liga a capital paulista a municípios da região metropolitana.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

6 comentários em CPTM: nunca houve um problema destas dimensões

  1. Rolland T. Flackphayser // 7 de abril de 2013 às 03:56 // Responder

    E inicia-se a campanha antecipada para governador do Estado de São Paulo.
    A quem os sindicatos destepaiz são fiéis?

  2. Esta administração da CPTM é desastrosa saudades da antiga administração que fez da CPTM um modelo a ser seguido, é triste ver a CPTM neste estado lamentável.

  3. Concordo com o Governador, todos estes ocorridos são atos de vandalismo/ sabotagem e, sabe-se lá DEUS se estes atos não tiver fundo politico.
    Minha opinião pessoal é que o PT quer por que quer a todo custo o Goverdo do Estado de São Paulo na próxima eleição, não estou dizendo que seja ações endossadas por aquele partido mas então, deve ter um militante um pouco mais fanático por aquele partido tendo a iniciativa própria de dar um forcinha para que se tenha no ano de eleição o que falar negativamente da atual gestão do governador Gral Alckimim.

  4. Amigos, boa noite

    Permitam-me uma colocação.

    O ocorrido é previsível, afinal a operação da CPTM está no limite assim como a do Metrô (já
    noticiada pela imprensa).

    Outro dia li num artigo de jornal no qual o autor dizia (e muito bem por sinal); que ferrovia não se opera só colocando trem novo na linha; primeiro moderniza-se a linha e os equipamentos elétricos, sinalização comunicação e outros e depois coloca-se trem novo em linha apta a operá-lo.

    Depois quando ocorrer “CPTM KISS” ou “METRÔ KISS”, não adianta abrir enormes inquéritos para se apurar culpados e quais os motivos, simples tudo previsível.

    Taí o caso Carandirú até hoje nada, e nem amanhã, outro previsível.

    Um frasco de 1 litro só tem capacidade para 1 litro, nem uma gota a mais, senão transborda.

    Dedução óbvia.

    Alguém já observou quanto mede o “corredorzinho” de escape ao lado da linha do metrô ?

    Eu chuto um pouco mais de 0,7 m.

    Já pensou se der uma pane dentro de um túnel como os entre as estações Sé e São Bento ?

    Previsível né.

    E tem mais, a CPTM ainda nem conseguiu desenvolver um equipamento para diminuir o vão entre as
    plataformas e os trens; e olha que eu já mandei a sugestão é coisa simples, basta usar a tecnologia
    já disponível no mercado.

    Esse vão entre o trem e a plataforma, já dura 50 anos, desde os tempos da saudosa Estrada de Ferro Sorocaba.

    É isso, enquanto não efetuarem as operações com técnica, tais fatos ocorrerão; principalmente com o aumento da demanda como vem ocorrendo, por diversos motivos, seja novas integrações, linha 4, o infernal trânsito de Sampa e as integrações e outros motivos más.

    Reflitam, depois não adianta abrir inquérito não.

    Att,

    Paulo Gil

    • Correção:

      Estrada de Ferro Sorocabana – EFS.

      Att,

      Paulo Gil

      • Sergio Santo André // 17 de abril de 2013 às 13:16 //

        Paulão, não diga essa frase “modernização de via”, isso dá azar !!! A última vez que a CPTM usou essa frase, nós do ABC perdemos a conexão com a estação Luz !!!! Imagine só agora, a linha 10 iria finalizar na Mooca…

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: