Por causa de bandido, trabalhador vai sofrer mais ainda em Florianópolis

ônibus queimados

PGC, Primeiro Grupo Catarinense, atentados em Santa Catarina, incêndio a ônibus em Santa Catarina, ataques em Santa Catarina, ônibus em Santa Catarina, Paralisação de ônibus em Santa Catarina, Penitenciária de São Pedro de Alcântara, Sintraurb, redução de horários de ônibus, Adamo Bazani, Blog Ponto de Ônibus, ônibus, transportes

Por causa de atentados, motoristas de Florianópolis fazem paralisação e vão recolher os ônibus mais cedo
Sindicato decidiu em assembleia que a partir de amanhã, veículos são circulam até às 19 horas
ADAMO BAZANI – CBN
Por causa da ação de criminosos, que já foram responsáveis por cerca de 100 atentados em aproximadamente 15 dias em ao menos 30 municípios de Santa Catarina, o trabalhador, contribuinte, estudante e demais cidadãos vão se prejudicar ainda mais.
Com medo dos ataques dos bandidos, que agem mais livremente na sociedade que muitos trabalhadores, os motoristas e cobradores de ônibus de Florianópolis paralisaram temporariamente as atividades entre 11h15 e 12h30 desta quinta-feira e decidiram em assembleia que a partir desta sexta-feira os ônibus só vão funcionar até às 19 horas.
O anúncio se dá mesmo com a promessa de a prefeitura alugar mais 20 carros para fazerem escolta dos ônibus.
As empresas e o poder público tentam reverter a decisão de encurtamento das escalas.
A prefeitura propôs a realização de viagens em comboio entre as 21 horas e 23 horas para atender estudantes e trabalhadores, mas o Sintraurb, sindicato dos trabalhadores em transportes, não aceitou até o momento.
Boa parte dos ataques que foram responsáveis por incêndios a ônibus e depredações em prédios públicos é atribuída a presos. Detentos que integram uma facção criminosa auto-denominada PGC (Primeiro Grupo Catarinense) teriam ordenado as ações a partir de 30 de janeiro depois de supostos maus-tratos a criminosos presos em Joinville e ficaram revoltados com a transferência para outras unidades prisionais de detentos perigosos. Entre os ataques, há ações isoladas e de vandalismo, mas o papel prejudicial dos presos à população corresponde a uma parcela significativa destes atentados.
Na primeira onda de atentados que prejudicou a população em nome de interesses de criminosos, que durou cerca de sete dias em novembro de 2012, houve 58 ataques em 16 municípios.
As ações criminosas, na época, só cessaram depois de o governo ter cedido aos presos e afastado o diretor da Penitenciária de São Pedro de Alcântara.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

1 comentário em Por causa de bandido, trabalhador vai sofrer mais ainda em Florianópolis

  1. se não mudar as leis de nível federal,os bandidos continuarão a mandar e o Brasil continuará uma porcaria de país.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: