PRECISA MORRER MAIS GENTE?

Precisa mais gente morrer para que a polícia tenha competência para evitar os ataques a ônibus? Pelo histórico das ações, os ônibus são queimados sempre onde ocorre entrevero entre policiais e bandidos. Assim, não é necessário ter um super serviço de inteligência para reforçar a segurança em linhas e terminais onde ocorreram os mais recentes embates. Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress.

Precisa mais gente morrer?
Ataques a ônibus são a forma mais covarde de o crime dizer quer tem poder. E não adianta o Governo do Estado falar que a imprensa é sensacionalista
ADAMO BAZANI – CBN
Não adianta o Governo do Estado de São Paulo culpar a imprensa pela sensação de insegurança vivida pela população.
Tiroteios, homicídios, chacinas, morte de policiais e ônibus incendiados são imagens cada vez mais comuns nos noticiários.
Mas não são os jornais que as criam, são os criminosos mesmo que não só desafiam, mas que infelizmente, humilham as autoridades de segurança do Estado.
Neste domingo, 09 de dezembro, o abuso da criminalidade chegou a um dos seus ápices na onda (e é onda mesmo) de incêndio a ônibus no Estado de São Paulo.
Na madrugada, duas pessoas morreram carbonizadas dentro de um veículo da Viação Sambaíba, que fazia a linha 2182 (Jardim Brasil – Praça do Correio). O ônibus estava parado no ponto final, quando, segundo testemunhas, foi atacado por 20 criminosos.
A frieza, falta de humanidade e certeza de impunidade foram tão grandes, que os bandidos não deram sequer tempo para os passageiros saírem do ônibus.
Por volta das 11 horas da manhã do mesmo domingo, também na zona Norte de São Paulo, perto do local do ataque, outro ônibus da Viação Sambaíba foi incendiado, sem feridos.
Os ataques seriam represálias à morte de um jovem e ferimentos a tiros em outro que supostamente teriam trocado tiros com a polícia.
A Polícia Militar informou que os jovens tinham antecedentes criminais e que apreendeu duas armas que estariam com eles: uma pistola e um revólver.
Se a polícia está certa ou não, se houve abuso dos PMs ou se os jovens são bandidos, a pergunta que os “Direitos Humanos” não fazem é: O que os dois passageiros mortos têm a ver com isso?
Aliás,quando há entrevero entre policiais e bandidos sempre acaba sobrando para passageiros, motoristas, cobradores e empresas.
Assim, pelo histórico dos ataques, não é necessário ter um mega serviço de Inteligência para saber que onde teve tiroteio, o policiamento em terminais, pontos finas e nos itinerários das linhas de ônibus deve ser reforçado.
O mais frustrante é que o incêndio a ônibus é um crime que pode atingir a qualquer um de nós em qualquer momento.
É a briga entre polícia e criminosos na qual o cidadão que é o escudo e alvo.
Os motoristas, cobradores e fiscais trabalham com medo e os passageiros ficam a mercê dos bandidos.
E não venham as autoridades de Segurança Pública tentar dizer que a imprensa está glamourizando o PCC – Primeiro Comando da Capital, facção criminosa que atua dentro e fora de presídios, e dar a explicação de que muitos ataques foram isolados e que não têm relação com o crime organizado.
O que importa para a sociedade é que isolados ou não, sendo todos do PCC ou não, os ataques continuam ocorrendo.
Tentar minimizar estes fatos ao tentar mostrar que “o crime organizado não é tão forte como a imprensa diz”, discurso ainda recorrente entre as autoridades, é o mesmo que dizer para as famílias destes passageiros carbonizados neste domingo que: “Não se preocupe, seu parente morreu carbonizado, mas fique sossegado, não foi o crime organizado”.
A inteligência da Polícia deve sim descobrir e investigar o que é PCC e o que é “ação isolada” nestes ataques. Mas isso para os passageiros, trabalhadores nos transportes e empresas de ônibus é o que menos importa! O importante é ter a certeza de que os casos não irão se repetir! Certeza esta que as polícias não têm competência de dar ao cidadão.
Por conta de nossas reportagens voltadas para os transportes, no Blog Ponto de Ônibus (http://blogpontodeonibus.wordpress.com/) , nosso contato com motoristas e cobradores de ônibus é praticamente diário.
O medo é real. Os motoristas, que já sofrem o estresse do trânsito e do alto fluxo de passageiros, demonstram tensão quando vão iniciar mais uma jornada. O objetivo: não morrer ou ser ferido pelos bandidos (organizados ou “amadores”).
Em Santo André, no ABC Paulista, alguns motoristas já fizeram uma espécie de kit fuga. Em pochetes ou mesmo sacolas plásticas amarradas ao corpo, eles colocam os documentos pessoais, a carteira de habilitação (sua ferramenta de trabalho) e às vezes os documentos do ônibus, para fugirem logo do veículo sem terem tanto transtorno depois do crime, para tirarem toda documentação de novo.
“Também nos comunicamos direto, com celular ou rádio para sabermos do colega do ônibus a frente se está tudo tranquilo” – disse um dos motoristas de Santo André.
Em relação aos casos deste domingo, sete suspeitos foram detidos, alguns com leves queimaduras, durante a tarde.
As prisões são o mínimo que a polícia pode dar como resposta. Mas o cidadão quer mesmo que os ataques sejam evitados. Ou precisa mais gente morrer para que isso ocorra?
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

12 comentários em PRECISA MORRER MAIS GENTE?

  1. q a imprensa é sensasionalista?É!não vamos tapar o sol com a peneira!agora,culpa tambem de um povo despolitizado q foi atrás desse desastre governamental chamado Geraldo Alckmin,candidato apoiado por essa mesma imprensa q o blogueiro não quer q seja culpada(aliás,Jânio de Freitas,da Folha De São Paulo,falou q essa violencia toda tambem tem culpa da imprensa q foi e é omissa)!quem tá adorando isso é o Datena,Marcelo Resende.pois violencia,dá dinheiro e audiencia.o governo de São Paulo cortou a verba para o serviço de inteligencia da policia recentemente.isso é o q dá escolha errada,mas bem feito.pior dos analfabetos é o politico.pois tem tanto orgulho q dessa ignorancia,sai essa onda de violencia q os paulistas assistem!

  2. Há tempos vinha dizendo que este passatempo de bandido ia começar a ficar sério, era só questão de tempo para acontecer isto que aconteceu. E ainda assim ninguém toma providência, para o estado, população e imprensa, queimar ônibus não é mais nada que nota de rodapé.

    Pior ainda era aturar casos de alguns busólogos em casos anteriores com comentários do tipo: “que bom que era um OF”, ou “poderia ter sido aquela porcaria do carro x”. Lamentável. .

  3. Estamos novamente diante de fatos que parecem infelizmente banais em nosso cotidiano nos ultimos meses, de um lado um governador omisso que fica se baseia em números (estatísticas) que não corresponde com a realidade vivida pela maioria da população , de outro ficamos reféns e com medo de uma policia que precisa ser readequada e reformulada para os tempos atuais, digo isso porque as abordagends policiais ainda lembram muito os tempos da ditadura e isso sem dizer os verdadeiros esquadrões da morte que surgiram nos ultimos tempos e sabe-se do envolvimento de policiais, e por conta disto a população se tornou refém da bandidagem que impõe o terror nas periferias e comunidades (favelas) nas quais inocentes estão sendo exterminados tanto por bandidos e também pela policia. Não quero aqui defender esse ou aquele, mas é preciso entender que vivemos num Estado de Direitos, sendo assim a obrigação da policia é prender e investigar e a justiça julgar quem está fora da lei. Tai o resultado da incopetencia desse governo, mais ônibus queimados e pra piorar com vitimas fatais, a pergunta contina até quando?

  4. Onde estão os criticos do PT nessa hora? Afinal o Estado de SP é governado a tempos pelo PSDB, que parece se perpetuar no comando desse importantíssimo Estado, portanto essa baderna que é a segurança pública nunca vai mudar. Mas o problema não é a sigla partidária mas sim a incompetência dos políticos.

    Os assassinos dessas vitimas do ônibus deveriam apodrecer na cadeia. Não defendo a pena de morte no Brasil porque seria o mesmo que ter a atitude desses covardes que mataram esses passageiros. Além disso, a morte não é solução para os nossos problemas. Mas sou a favor da prisão perpétura em caso de morte ou invalidez da vítima, onde o criminoso deve trabalhar para se sustenar. Terá o resto da vida para pensar na besteira que cometeu, onde se dará conta de que nada pode fazer para reverter a situação e se conformar com as grades.

    Não importa se o delito é de autoria de criminosos ou da população (que acabam virando criminosos, portanto dá no mesmo), o resultado é o mesmo: caos, morte, sofrimento etc. Lembram do caso do motorista de ônibus que foi assassinado pela população porque passou mal e bateu o ônibus?. Esses comentários que o Éric lembrou vindo de busólogos dão uma idéia de que nossa sociedade é irracional, injusta e egoísta.

    • falou,falou,falou e não disse nada!

      • Leonardo, suas opiniões sempre são aceitas e respeitadas aqui no Blog. Favor, respeite a dos outros também. Debata. Essa sua resposta não foi de debate, mas só de quem quer só impor seu ponto de vista e não é assim que funciona.
        Obrigado.

      • é por que blogpontodeonibus,as pessoas falam,falam,falam,e não apresentam argumentação boa.falar q é um problema de incompetencia politica,até eu falo.agora,cadê q as pessoas se auto avaliam quando o assunto é politica?ir atrás de uma”Globo,SBT,BAND”da vida,está dando nisso q estamos vendo em São Paulo.essa gente sem voto,q não está nem aí pra gente,”comanda”esse estado há mais de 20 anos.e nossa sociedade foge desse assunto como um rato q vê um gato.prefere as futilidades.foi por isso q me irritei.valeu pelo”puxão de orelha”.

  5. A policia daqui não é tão lasciva e nem condescendente com bandidos, ela vai em cima. E a bandidagem sem terreno, contraataca cosntantemente, para tomar lugar na sociedade. Eu acredito na capacidade de nossa PM. Aqui não é Rio de Janeiro..felizmente. Mas por outro lado no Rio, a medida que a policia enquadra todos os bandidos, eles evidentemente correrão apara cá, Como já aconteceu em certas cidades paulistas que foram pegos criando novo terreno para a bandidagem.
    Tem um detalhe: certos sujeitos cometem crimes em silencio que nem a familia sabem, e quando a PM pega, elas falam que meu filho é direito, trabalhador…Será??

  6. Diante das respostas e pontos de vistas acima, aqui descritos, convoco a todos entrar no site do governo do estado de SP e pressionar a Segurança publica, o governador, para que instale microcameras nas viaturas e no uniforme do policial. Só assim saberemos quem está atacando ou sendo atacado para ter como prova de julgamento. Isso já ocorre há anos nos Estados Unidos. Eu, pessoalmente, enviei uma carta ao governador Alckmin sobre esse projeto.
    (não me falem que isso não adianta)…faça sua parte cidadão.

    • Lando, boa noite

      Concordo com você e acrescento ai as redes sociais.

      Violência gera violência.

      Problemas e questões de violência devem ser resolvidos com inteligência.

      E as câmeras do Buzão e dos Terminais? Existe ou não? Se existem, funcionam?

      O dinheiro gasto com GPS (que não serve para nada além de informar o óbvio –
      o Buzão está atrasado; seria muito melhor aplicado na vigilância por câmeras nos Buzões e Terminais.

      As imagens são de fundamental importância na identificação dos autores.

      O que ameniza fatos como este, é a mensagem deixada a todos, sem exceção:

      Novas soluções devem ser criadas e aplicadas para o BEM ESTAR DE DE TUDO E DE TODOS.

      Somwntw crises são os meios para a evolução DE TUDO E DE TODOS.

      Att,

      Paulo Gil

  7. Precisamos refletir um pouco sobre os políticos que elegemos para representar nosso estado, infelizmente muitas pessoas que vão votar nem sempre estão preparadas, uma parte mal informada e realmente, despolitizada, incapaz de selecionar um candidato que realmente tem méritos para representar São Paulo. O Geraldo adora mencionar dados estatísticos, números e números que não condiz com a realidade, é verdade, como o Russomano disse uma vez: O São Paulo que ele vive é o “estado da Alice, no país das maravilhas” – e que maravilha hiem Alckmin, qual vai ser seus dados para mencionar sobre cada cidadão paulista morto por dia, que morrem entre 9 a 12 por dia, vítimas da criminalidade desenfreada, será que estes números farão parte da estatítica, ou mais uma vez teremos números fantasiosos para mascarar a realidade? […]
    Quantos ônibus precisaram ser queimados, quantas pessoas precisaram morrer para que o governo faça alguma coisa? O ônibus pode ser substituído por outro Igual, mas e as vidas que estavam alí tem como ser substituidas? É possível substituir um pai de família? Acho que não né, pois somos todos insubstituíveis. Lugar de lixo é no lixo, e é para onde deveria ir todos esses marginais sem escrúpulos, desumanos, e falando em desumanos, por que os direiros humanos só defendem vagabundos? sempre quando a polícia elimina um lixo, os direitos humanos caem em cima, e agora quanto essas vítimas que morreram carbonizados bem como muitos que morreram nesse curto período de tempo vão tambem se manifestar? cadê esses “direitos humanos” para defendê-los?
    São Paulo está cada vez mais perigosa e tá na hora de todo mundo se unir para pormos um fim nisso, se o Alckmin não tomar providências, devemos se juntar para derrubá-lo do poder para colocar alguém seriamente comprometido em cuidar de nossa cidade, porque ele (Alckmin) está preocupado somente com a famíla dele e sua conta bancária, o resto fica por conta da estatística.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: