Empresas de Curitiba dizem que vão aumentar passagem por causa de cobrador

Empresas de Curitiba dizem que fim da dupla função vai aumentar tarifas
Companhias serão proibidas de manter motoristas que dirigem e cobram ao mesmo tempo
ADAMO BAZANI – CBN
As empresas de ônibus em Curitiba serão obrigadas em quatro meses a extinguir a dupla função no transporte coletivo que consiste em o motorista dirigir o veículo e cobrar as passagens ao mesmo tempo.
O prefeito Luciano Ducci sancionou lei aprovada pela Câmara dos Vereadores. A alegação é de que dirigir e cobrar compromete a atenção do motorista e o nível de segurança no trânsito, além de aumentar o estresse do condutor de ônibus. Um dos argumentos usados é de que se dirigir e falar ao celular é proibido pelo Código de Trânsito Brasileiro porque atrapalha o motorista, ficar recebendo dinheiro e procurando troco para o passageiro também prejudicaria o desempenho do condutor.
Em Curitiba, há pelo menos 300 profissionais nestas condições que operam micro-ônibus ou ônibus midi, os famosos micrões, que são um pouco menores que os veículos convencionais, às vezes dois metros a menos.
As companhias não gostaram nada da lei e prometem entrar na Justiça contra a determinação da prefeitura.
O Setransp – Sindicato das Empresas de Transporte Urbano e Metropolitano de Passageiros de Curitiba e Região Metropolitana enviou uma nota à imprensa na qual diz que a lei é inconstitucional
“A lei é inconstitucional, já que determina aumento de custos do sistema sem apresentar a fonte de custeio. O Setransp irá à Justiça questionar a constitucionalidade desta nova lei. Hoje, em várias cidades brasileiras, não existe mais função de cobrador. Estes profissionais foram reaproveitados como fiscais e vendedores de bilhetes, ou realocados como motoristas”.
O sindicato ainda alegou que se forem necessárias novas contratações de cobradores para os ônibus cujo motorista também exercia esta função, o reajuste da tarifa vai ser maior que o previsto.
Já o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana – Sindimoc é favorável ao fim da dupla jornada. Para a entidade, os motoristas recebem um salário para exercerem dois trabalhos, o que fere a lei trabalhista, se arriscam pelo fato de terem a atenção comprometida, acarretam problemas de saúde por causa do estresse maior e para o passageiro, a presença do cobrador é vantajosa já que ele acaba ajudando na segurança e em informações sobre os pontos de parada e itinerários.
As empresas também alegam que em muitos casos, a presença do cobrador tem sido cada vez menos necessária pelo fato de a maior parte dos passageiros já pagar a tarifa pela bilhetagem eletrônica, com cartões.
Após a vigência da determinação, as empresas flagradas sem o cobrador serão advertidas e terão 30 deias para se adequar. Passando este prazo de recurso, a multa é de R$ 10 mil por caso. Em reincidências, a empresa de ônibus pode ter a permissão de operar suspensa.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

11 comentários em Empresas de Curitiba dizem que vão aumentar passagem por causa de cobrador

  1. Boa tarde.

    Tema importante, recorrente e delicado.

    Dadas as circunstâncias de operação, hoje, creio que, o mais acertado seria, implementar uma forma de cobrança, onde o motorista não teria contato com dinheiro e não, reavivar, a função do cobrador.

    Em muitos lugares já é assim.

    Esta, é minha humilde opinião.

    Sds.

  2. Amigos, boa noite

    1) Conforme informado acima: “Em Curitiba, há pelo menos 300 profissionais nestas condições…”.

    Por esse número de profissionais, não paga essa discussão toda e ainda eventuais ações judiciais.

    2) O cobrador é essencial no Buzão, pois face a “muvuca” que é no Buzão, ele dá apoio e paz ao piloto, pois ele é um parceiro cuidando do salão.

    3) Aqui em Sampa vira e mexe a recarga do Bilhete Único, está sem sistema, ora por isso
    ora por aquilo; portanto mais um motivo para manter o cobrador.

    4) Deixem a categoria trabalhar em paz, afinal todo mundo merece ganhar o pão de cada dia.

    Eu sou literalmente contra a cobrança ser efetuada pelo “piloto”.

    O mais triste é que isto está ocorrendo em Curitiba, quem diria…

    Att,

    Paulo Gil

    • Paulo Gil
      Um segundo funcionário nos ônibus sem dúvida é importante.
      Mas não vejo o menor sentido em que ele receba dinheiro e faça troco: isto gera atrasos e falta de segurança, entre outros problemas. Não faz sentido, com os tantos recursos disponíveis hoje em dia. E dificulta muito a pesquisa precisa e imdiata dos fluxos, algo extremamente necessário em cidades/RMs enormes.

      • Luiz Vilela, boa noite

        Quanto tempo. Tudo bem? Desejo que sim.

        Concordo com você, mas desde que o problema de recarga seja definitivamente sanado juntamente com mais pontos de vendas.

        Por outro lado, entendo que de nada adiantará se a cobrança continuar sendo efetuada internamente no Buzão, tem de pagar na entrada da plataforma.

        Os biarticulados de Sampa, tem o coletor de créditos e a catraca instalados num péssimo lugar, tendo em vista o comprimento do carro.

        Nestas condições até utilizando somente cobrança via cartão, o embarque emperra.

        Eu já dei a solução para a SMT e SPTrans, mas …

        Num será melhor pensar no “passe”, o qual poderia se vendido em qualquer Botiquim?

        Novas tecnologias, serão sempre muito bem vindas, mas enquanto não soubermos fazer um bom uso destas, na prática, é mais vantajoso voltarmos para o passe ou algo bilhetinho.

        Em pleno 2013, ainda há linhas gerenciadas pela a EMTU que utilizam.cobrador, validador de crédito e bilhetes de viagem.

        Sabemos desenvolver, mas não sabemos usar.

        Att,

        Paulo Gil

      • mas rapaz,como é q esse cidadão (LUIZ Vilela)me fala uma baboseira dessa!quando falo q temos uma”imprensa”q deforma,a turma aqui acha ruim.aqui onde moro,sem cobrador,é uma tragédia.já fizeram isso(empresa metropolitana)e NÃO DÁ CERTO!

  3. Isso aqui no Rio de Janeiro é moda, já temos até ônibus convencionais sem cobrador, um absurdo, já que o Riocard ainda não está completamente acessível á toda população! Só serei favorável a retirada dos cobradores nos ônibus, á partir do momento em que pelo menos 90% da população estiver usando a bilhetagem eletrônica, caso contrário, o cobrador se faz necessário e muito no transporte coletivo do Rio de Janeiro… Parabéns á São Paulo que ainda mantém os cobradores em sua frota de ônibus, mesmo com um grande percentual da população pagando no bilhete único!

  4. Tudo bem Paulo Gil, agradeço a resposta!
    Sim, o velho passe já ajudaria.
    Por mais que a maioria use bilhete único, catracas destroem a mobilidade dentro dos ônibus.
    Super-concordo que os validadores precisam ser melhor posicionados, favorecendo o fluxo.

    Agilidade precisa ser priorizada num lugar como RMSP.

  5. É curioso. Até certo tempo atrás todo ônibus tinha cobrador, as empresas enxugaram este custo, e agora alegam “aumento de custo” para botar o cobrador de volta? É como a empresa que vende um produto a um preço x e luta para baixar o imposto. O imposto cai e a empresa se acha no direito de continuar vendendo ao mesmo preço x de antes. Peraí!
    Sem contar que quando demitiram os trabalhadores, não se cogitou pensar numa forma de recolocá-los no mercado de trabalho à mesma medida – não os absorveram todos como motoristas em dupla função ou em outro cargo, qualquer que seja, e isso sequer foi pensado.
    Acho que, para se tirar o cobrador dos ônibus, deveria ser criado um sistema no qual o passageiros só embarcaria com o bilhete ou cartão eletrônico, e sabemos que esta forma, onde existe, não é prática.
    Ponto para o governo curitibano por essa sanção, e que outras cidades estudem adotar a mesma medida logo.

  6. Sérgio Santo André // 6 de dezembro de 2012 às 12:56 // Responder

    Bom seria se o embarque fosse como em Curitiba, mas quem quer investir nisso ??? Bom seria se não houvesse cobrador, mas quem vai investir em educar a população para compra de bilhetes e recarga de cartões ???? Quem vai investir em um sistema viável de recarga de bilhetes ??? Muitas incógnitas, mas o que se pode afirmar nesse momento é: motorista que cobra, dirige, aciona elevador para deficientes, presta informações ao passageiro, pega trânsito, tem que cumprir horário, ter que se atentar com os problemas mecânicos do veículo, isso é que não dá !!!!

  7. e ainda elogiam curitiba como sendo”modelo”de transporte.as máscaras estão caindo.com uma imprensa dessa,até eu fico retardado!

  8. o cobrador é importante, fiz concurso em diversas cidades, e não dá para ter o cartão eletrônico delas, sendo assim tive que pagar dinheiro, com o motorista em dupla função , as viagens ficam mais lentas, o que é ruim para o usuário e empresário!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: