CASO BUSSCAR: Às vésperas de Assembleia Geral mobilizações das partes se intensificam

onibus

Ônibus da Busscar. No dia 25 de setembro será dada continuidade a Assembleia Geral dos Credores que pode determinar a falência ou a aceitação do plano de recuperação da companhia que foi uma das maiores encarroçadoras do País. Sindicato tenta conseguir a maior parte das procurações de trabalhadores.

Sindicato dos mecânicos quer ter maioria de procurações na Assembleia da Busscar
Assembleia Geral dos Credores ocorre no dia 25 de setembro. Alguns grupos aceitaram plano de recuperação, mas bancos e sindicato dos trabalhadores ainda discordam de vários pontos
ADAMO BAZANI – CBN
Com a aproximação do prosseguimento da Assembleia Geral dos Credores da Busscar, encarroçadora de ônibus que já foi uma das maiores do País e hoje tenta escapar da falência, as tensões aumentam e todos os lados da história se mobilizam.
Representantes da empresa procuram convencer os credores de que o Plano de Recuperação Judicial pode ser vantajoso para todas as partes e que possui coerência.
Alguns dos credores da companhia, que deve quase R$ 800 milhões corrigidos, sem contar impostos atrasados, ainda veem com muita desconfiança algumas cláusulas do plano da família Nielson, atual controladora e fundadora da fábrica, com sede em Joinville, Santa Catarina.
A nova fase da Assembleia vai ser realizada no próximo dia 25 de setembro. Nova fase porque pela segunda vez, o juiz Marcelo Povoas, de Joinville, adiou a votação que poderia resultar na decretação da falência ou na aceitação da recuperação judicial da companhia.
Os maiores entraves, por enquanto, para a aceitação do plano, são o banco Santander, o BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social e o Sindmecânicos – Sindicato dos Mecânicos de Joinville.
As entidades discordam dos descontos nos débitos propostos pela Busscar, que chegam a 60%, e ainda não se convenceram de que as metas que a empresa colocou no plano vão se cumprir, pelo menos neste ano. A Busscar havia divulgado que produziria 1,8 mil carrocerias de ônibus em 2012, mas até agora, o número não chegou a 300.
A empresa se defende dizendo que são justamente estes entraves que impedem com que a Busscar cumpra sua meta.
O Sindmecânicos diz que as propostas de descontos nos débitos salariais, que foram minimizados, e também a troca de parte das dívidas por ações da empresa, com valor duvidoso no mercado, não seria vantajoso para os trabalhadores.
No entanto, a entidade sindical ainda não pode decidir em nome dos trabalhadores na Assembleia e procura reverter essa situação.
As procurações de 1,9 mil trabalhadores, a maioria até agora, não estão em poder do sindicato.
O Sindmecânicos vai realizar no dia 16 de setembro uma reunião com funcionários e ex funcionários, na qual pretende conseguir um número maior de procurações, inclusive de trabalhadores que fazem parte das atuais 1,9 mil e queiram transferir o caso para o sindicato.
A entidade deve explicar também aos trabalhadores os motivos pelos quais ainda mantém a negativa em relação ao plano.
Credores que pertencem à família Nielson, chegaram a um consenso sobre os descontos e formas de pagamento.
A Busscar passou nos últimos 12 anos por duas grandes crises. Uma foi entre 2001 e 2003, quando a empresa contou com empréstimos do BNDES para se reerguer. À época, a empresa alegou que as variações no câmbio prejudicaram os negócios. A atual crise tem origem em 2008. Os representantes da Busscar dizem que a companhia sentiu os efeitos da crise econômica mundial, que foi marcada por restrição ao crédito, e vários financiamentos que tinha assumido foram cortados ou se tornaram mais difíceis, aumentando o endividamento da Busscar.
Já analistas de mercado apontam para erros administrativos e que a crise atual é um reflexo de uma recuperação não plena da turbulência de 2001 – 2003.
Os salários dos trabalhadores estão atrasados há mais de dois anos. Hoje a companhia conta com cerca de 900 pessoas em seu quadro de funcionários que já chegou a ter 5 mil pessoas.
Adamo Bazani, jornalista da rádio CBN, especializado em transportes

11 comentários em CASO BUSSCAR: Às vésperas de Assembleia Geral mobilizações das partes se intensificam

  1. jackson de sousa leite // 14 de setembro de 2012 às 02:52 // Responder

    o sindicato como sempre vem fazendo vai querer que a busscar baixe as portas isso por que dizem estar ao lado dos trabalhadores … aí tem viu .

  2. SERIA MUITO COMODO PRA “M”, QUE A BUSSCAR FECHE AS PORTAS POIS A “M” NUNCA ENCARROÇOU TANTO RODOVIÁRIO SEM SE PREOCUPAR COM A CONCORRÊNCIA POIS A UNICA A BATER A QUALIDADE E DESIGN EH A BUSSCAR NÃO TERIAS “M” ALGO A VER COM O SINDICATO VALE LEMBRAR QUE A “M” E A “CA” FIZERAM UM JOIN JUNTANDO AS FORÇAS ABRINDO UMA ÁFRICA EM JOINVILLE PRA TENTAR AINDA MAIS DERRUBAR A BUSSCAR, COMPRANDO O SINDICADO CLARO QUE QUERES QUE OS TRABALHADORES DIGAM NÃO AO PLANO ISSO POR TRÁS DE TUDO À MUITO DINHEIRO CLARO, MAS UMA COISA QUANDO FALAMOS QUE BUSSCAR É BUSSCAR ISSO SIM EH PRA SE PREOCUPAR POIS BUSSCAR AINDA É A UNICA A BATER A “M” NO RODOVIÁRIO E A “CA” NO URBANO..LEMBREM DO ANO 2000 A DOR DE CABEÇA QUE A BUSSCAR DEU PRA ELES COM UMA REVOLUÇÃO LAH E ATÉ HOJE CHAMADO DE “URBANUSS”….

    • Procuradas anteriormente, Marcopolo e Caio disseram que apenas acompanham a situação. A Caio chegou a oferecer uma proposta para a compra da Busscar, como noticiamos no ano passado, mas a Justiça preferiu prosseguir com a tentativa do plano.

  3. concordo a marcopolo teme a volta da busscar

  4. Sou do RJ e nunca vi a 1001 Colocar tanto rodoviario Marcopolo na rua. e realmente a “saida” dos viales a ser protagonizada por Urbanuss Pluss agora só entra Apache Vip para a frota urbana. E isso vem acontecendo entre todas as grandes do Rio de Janeiro

  5. Na classe trabalhista, ha em numeros redondos 5400 credores trabalhistas, destes apenas 3480 se habilitaram a votar na primeira assembléia de 07-05-12 através de um cadastro prévio.
    Portanto o maior numero de votantes agora em 25-09-12 pode ser apenas os 3480, trabalhadores que se cadastraram na primeira assembléia.
    Aproximadamente 100 trabalhadores inda vincaulados a Busscar, conseguiram mais de 1600 procurações de seus companheiros, a grande maioria de já saiu da Busscar, para votarem por eles.
    Então só aqui há 1700 votos favoráveis, tem ainda 450 trabalhando, incluindo lógico os 100 de posse das procurações, então se do saldo de 350, 300 votarem pelo sim, teremos mais uns 300 votos, ou seja teremos agora 2000 votos ( 1700 + 300 ).
    Isto já é suficiente para garantir o sim por 57,5%.
    Mas acreditamos que o restante dos votantes 1482 ( 3482-2000 ) no minimo a metade deve votar favorável, portanto mais 700 votos no sim.
    2000 + 700 = 2700 votos no Sim ou seja , 77,7% dos votos deverão ser pela continuidade da Empresa.

  6. A Marcopolo e a Caio através de sua JOINVENTURE, aqui em Joinville, acompanham o caso da Busscar feito um Urubu pousada na Ponta de um Mourão só esperando a vaca dar o ultimo suspiro.
    Tão logo a Busscar entrou em RJ, anunciaram aos quatro ventos que iriam investir R$ 110 Milhões numa nova fabrica, inclusive analisaram várias propostas de grandes áreas de terra.
    Depois o investimento anunciado para o ano de 2012 caiu para R$ 10 Milhões.
    Porém tudo que existe na Junta Comercial de Joinville, é uma Empresa LTDA de capital social de R$ 1 Milhão.
    O Galpão que eles alugaram aqui próximo da Busscar na Rodovia que da acesso a Zona Industrial de Joinville, é pouca coisa maior do que um meio campo de futebol, é do tamanho do Refeitório da Busscar.
    Outro Ponto… esta a mais de 06 meses pronto , mas sempre esta inacabado.
    Ou seja não vão montar nada, estão apenas fazendo jogo de cena, ou seja o objetivo é continuar com o pé no pescoço esperando pelo ultimo suspiro da Busscar.
    Na segunda assembléia inclusive chegaram a protocolar um documento na Justiça, onde o Juiz despachou, algo do tipo…
    Vocês não tem nada a ver com o assunto ,, ou seja o Juiz mais um pouquinho escrevia, não metam o bico onde não são chamados.
    Na segunda assembléia um advogado representando o Sr Rodrigo PiKussa atual diretor de Exportação da Marcopolo, chegou a se escrever para falar, mas quando percebeu que havia ocorrido o entendimento entre a Busscar e os Ex Acionistas, fico sem chão e não sabia mais o que dizer. Resultado botou a boca no ” c ” e pediu para cancelar sua inscrição. Então falem a verdade a Marcopolo e a Caio acompanham sim e com muita atenção e de muito perto cada movimento da Busscar.

  7. Hoje, o único entrave para aprovar o PRJ da Busscar é o BNDES.
    Mas temos a total confiança de que até dia 25-09-12, esta posição será revertida por várias razões:
    Primeiro, um Banco voltado ao Desenvolvimento Econômico e Social não vai querer arcar com o ônus de fechar uma empresa com potencial de 5000 postos de trabalho na Maior Cidade de santa Catarina.
    A Presidente Dilma, vem dando vários incentivos a produção seja através de redução de IPI, ou Linhas de financiamento a taxas subsidiadas, tudo para preservar os postos de trabalho.
    O BNDES não terá qualquer desconto nos seus valores, nem mesmo as multas ele abriu mão.
    Em 2004 a Busscar recebeu do BNDES R$ 30 Milhões, já pagamos R$ 29 Milhões e ainda continuamos devendo R$ 57 Milhões.
    Deste Valor R$ 57 Milhões, o BNDES não abriu mão de desconto de R$0,01 centavo se quer.
    Portanto, não existe o mínimo sentido o BNDES votar contra, primeiro porque estaria abrindo mão da possibilidade de receber R$ 57 Milhões que se a Busscar falir , não ira receber nada.
    Segundo os atuais empresários ficariam refém de um Monopólio, principalmente no seguimento dois pisos, e projetos especiais.
    Portanto hoje a decisão de salvar ou não 5000 postos de trabalho em Joinville, maior cidade catarinense, .
    A Decisão de criar ou não monopólio no seguimento de dois pisos está 100% na mão do BNDES .
    A Decisão de querer recuperar ou NÂO R$ 57 Milhões para os cofres publicos está 100% na mão do BNDES.
    Desafio alguem a me dar um unico argumento favorável ao BNDES votar contra o PRJ da Busscar, lógico esqueçam o favorecimento aos nossos maiores concorrentes.

    • É por essas e outras que eu não devo a bancos. Não sou rico, muito pelo contrário, mas se tem meu nome lá é porque ELES me devem, nunca o contrário. Quanto a sindicalistas , políticos e afins (com poucas exceções) são os gafanhotos que a bíblia expõe.

  8. Espero que no príoximo dia 25-09-2012, seja enfim aprovado o plano de recuoeração judicial para que acabe de vez com essa agonia. É obvio que os concorrentes torcem para o fechamento da Busscar pois é a único encarroçadora capaz de produzir ônibus modernos e com qualidade para bater de frente com eles. trabalhei 1 anos na Busscar, e me orgulho muito de ter ajudado a constriur essa essa empresa que ja foi uma das maiores no seguinto do pais, hoje trabalho e moro em Curitiba-PR, torço muitp para dar tudi certo e esse empresa volte a gerar postos de trabalho e até que sabe um dia eu voltar a trabalhar lá. ass. VDS

  9. Para um homem, que fala tanto da biblía e de Deus, fazer oque está fazendo com os ex funcionários, isso é uma sacagem, sem vergonhisse o nivel dele é o mesmo dos politícos sem carater, uma pessoa que não é confiável.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: