ALTA NOS LICENCIAMENTOS DE ÔNIBUS NO MÊS, MAS ANO AINDA ACUMULA QUEDA

ONIBUS

Ônibus da Volvo. Mesmo com o mercado em baixa, acumulando de janeiro a agosto deste ano queda de 9,6% nos licenciamentos na comparação com igual período de 2011, a empresa teve alta de 149,7%, ultrapassando no ranking a Scania, concorrente direta, e a Iveco. Mercedes continua líder e maior queda foi da MAN: 29.5%. Foto: Adamo Bazani.

Ônibus registram alta no mês mas acumulam ainda queda no ano
Entre julho e agosto, licenciamento aumentou 52,4% mas no acumulado de janeiro a agosto, a baixa é de 9,6%. Volvo foi a que mais cresceu, com 149,7% e MAN teve a maior queda

ADAMO BAZANI – CBN

O mercado para ônibus começa agora a se recuperar de um início de ano com retração, mas ainda os números indicam para queda no acumulado.
Nesta quinta-feira, dia 06 de setembro, a Anfavea – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores divulgou os dados sobre produção e licenciamento de automóveis.
Em julho deste ano foram licenciados 2.060 ônibus frente a 3.139 unidades, o que representa alta de 52,4%, um número expressivo, ainda mais no contexto do mercado de veículos diesel que além de sentir a retração econômica brasileira, teve desaceleração por causa da entrada em janeiro deste ano de novas normas de redução de emissão de poluentes baseadas nos padrões internacionais Euro V. Como, com a nova tecnologia os ônibus e caminhões ficaram mais caros, muitos frotistas anteciparam no ano passado as renovações previstas para acontecer em 2012 para aproveitarem os preços menores da tecnologia que vigorou até o dia 31 de dezembro de 2011.
Esse movimento se reflete ainda no acumulado do ano, segundo a Anfavea.
De janeiro a agosto de 2012 foram licenciados 19.962 ônibus contra 22.081 unidades no mesmo período de 2011, o que significa queda de 9,6%.

POR FABRICANTES:

O ano tem representado realidades diferentes para as diversas montadoras de ônibus, de acordo com o levantamento da Anfavea.
Enquanto a Volvo de janeiro a agosto deste ano teve alta de 149,7% no licenciamento dos ônibus, a Volkswagen MAN Latin America registrou queda de 29,5%.
Os números possuem explicações diferentes. A Volkswagen Caminhões e Ônibus já tinha um mercado com número maior de produção e portanto, mais suscetível à variação ocasionada pela entradas das novas tecnologias de restrição à emissão de poluentes. Já a Volvo tinha um total de produção menor e foi beneficiada pela boa aceitação do ônibus de motor dianteiro B 270 F.
Mesmo com a queda, a MAN Volkswagen continua sendo a segunda colocada no mercado, com 5180 ônibus.
A Mercedes Benz continua na liderança com 9176 ônibus entre micros, urbanos, rodoviários e articulados.
A empresa também lidera os emplacamentos de ônibus com a tecnologia Euro V, somando 1979 unidades.

LICENCIAMENTO DE JANEIRO A AGOSTO DE 2012 (percentuais comparativos ao mesmo período de 2011).

1) MERCEDES BENZ
9176 unidades queda de 5,1% ante 9672 de 2011
2) MAN LATIN AMERICA – VOLKSWAGEN CAMINHÕES E ÔNIBUS
5180 unidades queda de 29,5% ante 7347 de 2011
3) AGRALE
2337 unidades queda de 21,1% ante 2962 de 2011.
4) VOLVO
1286 unidades alta de 149,7% ante 515 de 2011
5) IVECO
1228 unidades alta de 34,5% ante 913 de janeiro a agosto do ano passado.
6) SCANIA
707unidades alta de 5,5% ante 670 do mesmo período de 2011.

Vale ressaltar também que a Volvo acabou ultrapassando a Scania e a Iveco no licenciamento de veículos entre janeiro e agosto deste ano e o mesmo período do ano passado.
A Scania no ano passado era a quinta colocada, a Iveco a quarta e a Volvo era apenas a sexta.
A comparação mais fiel deve ser dada apenas entre a Scania e a Volvo, que são concorrentes no segmento de ônibus pesados, do qual a Iveco não participa ainda.

CAMINHÕES:
As mudanças de tecnologia de redução de poluentes também interferiram no mercado de caminhões. A queda nos diversos segmentos de veículos de carga foi maior que a dos ônibus no acumulado do ano. Os licenciamentos de caminhões somaram de janeiro a agosto deste ano 92778 unidades. Neste período do ano passado foram 114.942 unidades, queda de 19,3%
Se os licenciamentos de julho a agosto no caso dos ônibus tiveram alta de 52,4%, os de caminhões ainda registraram menor elevação no comparativo entre os dois meses deste ano, com 5%.

BNDES FINANCIOU MAIS ÔNIBUS E CAMINHÕES:

O Governo Federal prorrogou até o final do ano as menores taxas de financiamento para caminhões e ônibus do Finame PSI (Programa de Sustentação do Investimento) pelo qual estes veículos e outros bens de capital têm juros de 2,5% anuais e carência para pagamento que pode chegar a 100 meses. A linha é do BNDES, operada por bancos particulares.
Vale ressaltar que apesar de a medida estimular o crescimento da venda de ônibus, caminhões, máquinas e equipamentos, neste ano, o BNDES desembolsou menos dinheiro em relação ao ano passado até agora.
De janeiro a julho de 2012, o BNDES liberou, entre todas as modalidades de crédito (não só o Finame PSI) R$ 67,9 bilhões, ou seja, 2% a menos que no ano passado. Mas aprovações de crédito subiram 2% em comparação ao mesmo período de 2011.
Já para o setor de bens de capital, que inclui caminhões e ônibus, o BNDES liberou R$ 17,7 bilhões.
Em nota, o BNDES diz que a demanda por bens de capital tem voltado a crescer o que é um termômetro para indicar o nível de investimentos no País.

TOTAL DE VEÍCULOS:

A redução IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados dos carros de passeio tem surtido efeito no volume de licenciamentos de todos veículos produzidos, segundo os dados da Anfavea.
O total de veículos licenciados entre janeiro e agosto deste ano em comparação a igual período de 2011 foi 5,5% maior com 2,5 milhões em 2012 contra 2,37 milhões de automóveis em 2011.
Em agosto, a alta nos licenciamentos foi de 15,3% com 364,2 mil carros em julho e 420,1 mil em agosto.
Já a produção ainda registra queda no acumulado, o que indica que esta alta nos licenciamentos tem significado o esvaziamento dos estoques.
Entre janeiro e agosto deste ano, foram produzidos 2,18 milhões de automóveis de diversos segmentos. Já no mesmo período do ano passado, o número foi de 2,35 milhões de unidades, o que representa queda de 7,2% na comparação entre os dois intervalos.
Mas entre julho e agosto deste ano, a indústria produziu mais. A alta foi de 10,6%, com 297,8 mil unidades em julho e 329,3 mil em agosto.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: