Rio +20: ônibus híbrido desenvolvido no ABC Paulista será um dos destaques

ônibus

Ônibus elétrico híbrido, com motor a combustão a etanol, desenvolvido pela Eletra em parceria com outras empresas, será uma das atrações sobre mobilidade e meio ambiente durante a Rio +20, Conferência das Nações Unidas sobre sustentabilidade. Emissões de alguns tipos de poluentes podem ser reduzidas em até 90%. O transporte coletivo tem ganhado cada vez mais espaço nas discussões sobre um futuro melhor. Divulgação.

Ônibus híbrido da Eletra é destaque na Rio+20
Movido a energia elétrica, com plug in a etanol, o veículo estará exposto no estande da Finep, como opção de transporte sustentável

A Rio+ 20, que tem início hoje no Rio de Janeiro, vai trazer a tona novamente reflexões sobre como possibilitar o crescimento econômico das Nações e a melhoria das condições sociais das pessoas, utilizando de maneira consciente os recursos naturais.
É a chamada sustentabilidade que pode ser traduzida como o conjunto de ações que possibilitam o bem estar hoje das pessoas sem comprometer o das gerações futuras, não esgotando os recursos naturais.
E uma das maneiras de os recursos serem aproveitados de melhor é evitar a concentração de tudo o que a natureza oferece para um grupo de poucas pessoas.
De acordo com a ONU – Organização das Nações Unidas, por exemplo, o estilo de vida de um cidadão norte-americano causa 11 vezes mais impactos no meio ambiente que um cidadão do Malauí (Malawi), no Oriente da África.
Assim, pensar no meio ambiente, é pensar em distribuir mais igualitariamente, não só renda, mas recursos naturais, espaço nas cidades, em resumo, é pensar coletivamente.
E os transportes coletivos ganham destaque nesta edição da Rio + 20 e nas discussões sobre o meio ambiente.
Sem nenhuma alteração tecnológica, os meios de transporte público já trazem ganhos ambientais. Um ônibus a diesel convencional pode substituir de uma só vez 40 carros de passeio, levando em conta que o ônibus transporta 80 pessoas e a média de cada carro é de dois ocupantes.
Proporcionalmente, o ônibus vai emitir muito menos poluição que os 40 carros e ocupando 12 metros de comprimento nas vias enquanto os carros para levarem a mesma quantidade de passageiros ocupariam cerca de 480 metros.
Mas os transportes públicos evoluíram e hoje trazem mais benefícios à natureza.
Além do Metrô e dos trens elétricos, que são de alta capacidade de passageiros, os ônibus estão cada vez menos poluentes.
A Volkswagen vai transportar as delegações em ônibus a Gás Natural e Diesel, que podem reduzir em até 80% a emissão de alguns materiais nocivos ao homem e meio ambiente.
A Volvo vai lançar seu modelo Hídrido, movido a energia elétrica e Biodiesel, que pode poluir até 90% menos.
A Eletra, empresa de São Bernardo do Campo, especializada em tecnologia limpa para transportes públicos, também vai mostrar uma de suas soluções: é o modelo híbrido a etanol e energia elétrica, que circula na Usina de Itaipu.
SEGUE ABAIXO A APRESENTAÇÃO DA EMPRESA:
Durante a Rio+20, Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, que acontece de 13 a 22 de junho, no Rio de Janeiro, os participantes poderão conhecer o modelo de ônibus híbrido usado nas dependências da Usina de Itaipu. O veículo estará exposto no estande da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos).

Este ônibus reúne todas as vantagens de um veículo elétrico e os benefícios de um combustível sustentável, o etanol, e foi projetado e fabricado por um consórcio capitaneado pela Eletra, uma empresa brasileira que desenvolve tecnologia de tração elétrica para ônibus urbano. Além de trólebus de última geração, com sistema autônomo para circular sem a rede aérea por alguns quilômetros, é pioneira no desenvolvimento de veículos híbridos. O primeiro ônibus híbrido com tecnologia nacional desenvolvido pela Eletra transporta passageiros desde 1999 em São Paulo.

Como o próprio nome sugere, o ônibus híbrido utiliza duas fontes de energia para seu funcionamento. Uma é o banco de baterias acumuladoras de energia, e a outra é o grupo motor-gerador, que pode ser a diesel, a álcool ou a gás. O veículo exposto na Rio+20 é composto por um motor a etanol que fornece energia para o motor elétrico que traciona o veículo. Essa tecnologia garante, ainda, o reaproveitamento da energia que seria dispersa nas frenagens do veículo. O resultado é uma redução significativa de material particulado e de monóxido de carbono lançados na atmosfera.
Segundo Iêda Maria Oliveira, gerente comercial da Eletra, o modelo que é utilizado para transporte dos passageiros dentro da Itaipu pode se tornar um importante aliado tanto no que diz respeito à redução de emissão quanto ao custo, se aplicado às frotas urbanas. “O modelo híbrido faz uso da energia elétrica com geração a bordo, de forma eficiente e com baixos níveis de emissão. Trata-se de um veículo muito mais versátil com um custo-benefício bastante interessante”, comenta.
O consórcio responsável pela fabricação do ônibus híbrido que circula na Itaipu é composto pelas empresas: Eletra, Weg, Mascarello, Mitsubishi, Tutto e Euroar.
Texto Inicial: Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.
Texto sobre Eletra: Gustavo Angimahtz, da Ex Libiris Comunicação

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: