Centro de monitoramento de Curitiba é interativo

onibus

Curitiba inaugura sistema de monitoramento de trânsito e de transportes públicos. Os equipamentos são interativos. Os motoristas de ônibus recebem comunicados da central e também podem passar mensagens aos operadores. Telões em terminais informam a previsão de quando os ônibus devem chegar aos pontos. Telas nas ruas também informam a todos os motoristas as condições de trânsito. Foto: Adamo Bazani

Curitiba inaugura centro de monitoramento de transportes e trânsito
Equipamentos são interativos. Além de mostrar a situação do trânsito e dos ônibus, há a possibilidade de os técnicos de comunicarem em tempo real com os motoristas e fiscais do transporte coletivo
ADAMO BAZANI – CBN
Está em operação desde esta terça-feira, dia 10 de abril de 2012, o CCO – Centro de Controle Operacional para monitoramento do trânsito e dos transportes urbanos de Curitiba, capital paranaense.
O Centro foi instalado na sede da Urbs – Urbanização de Curitiba S.A., autarquia responsável pelo gerenciamento da mobilidade na Capital do Paraná e pela RIT – Rede Integrada de Transporte, que atende Curitiba e municípios da Região Metropolitana.
No local há um painel de 7,20 m por 1,80 m formado por 21 telas de LCD, com 46 polegadas, que transmitem em circuito fechado imagens captadas por câmeras instaladas em pontos estratégicos na cidade, onde há maior concentração de trânsito.
Cada operador do CCO possui também a disposição duas telas de computador para melhor visualização e ação para resolver o problema apontado pelas imagens.

INTERATIVIVIDADE

O que chama a atenção no CCO é a interatividade do sistema.
Os operadores não só têm conhecimento das imagens e dos problemas, mas podem se comunicar em tempo real com os motoristas de ônibus e fiscais de transporte.
Para isso, os veículos têm tecnologia embarcada.
Eles possuem equipamentos de GPS e computador de bordo com telas que podem receber mensagens.
Estes aparelhos também enviam dados aos operadores do CCO sobre a posição e a velocidade dos ônibus.
Quando o ônibus estiver parado, o motorista também pode enviar mensagens sobre eventuais problemas ou mesmo sobre as condições de trânsito à central. O equipamento está instalado no painel dos veículos.
Alterações de rota, para que o ônibus não fique preso no congestionamento em caso de acidente, e de paradas, também são informadas pelos operadores.
Esta tecnologia será instalada em toda a frota de ônibus municipais e metropolitanos, que formam a RIT – Rede Integrada de Transporte, que possui cerca de 2 mil e 300 ônibus.
Os técnicos do CCO também podem se comunicar com agentes de trânsito e operadores de campo de semáforo.
Atualmente, o monitoramento é feito nas linhas expressas, prestadas pelos ônibus biarticulados.
A meta até o final do ano é ter toda a frota monitorada, o que envolve mais de 350 linhas.

INFORMAÇÕES PARA OS PASSAGEIROS:

O sistema permite também que os passageiros saibam quanto o ônibus vai demorar para chegar ao ponto.
Para isso, telões serão instalados nos principais terminais e pontos da cidade.
Há telões em testes no Terminal Pinheirinho e Terminal Cabral.
A Urbs acredita que o sistema vai ajudar não apenas no monitoramento, mas no planejamento dos transportes. Isso porque os problemas mais freqüentes, registrados nos relatórios, podem gerar ações de mudanças para melhorias.
Nesta primeira fase, está sendo monitorada a formação de vias de mão única no centro de Curitiba que ligam os bairros.
A previsão é de funcionamento pleno de telões que informam sobre as condições de trânsito aos motoristas em tempo real.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

3 comentários em Centro de monitoramento de Curitiba é interativo

  1. Adamo, a diferença do transpórte de Curitiba em relação ao transporte de São Paulo, é que la ele servem a população aqui eles se servem da população, simples assim.

  2. Bruno Quintiliano // 12 de abril de 2012 às 09:39 // Responder

    Como sempre, Curitiba está um passo a frente. Tenho vontade de viajar pra Curitiba pra ver ele de perto.

  3. O ESTADO DO PR, EM ESPECIAL A CIDADE DE CURITIBA, MESMO ANTES DA POLITICA NACIONAL DE MOBILIDADE ENTRAR EM VIGOR, JÁ APLICAVA PARTE SIGNIFICATIVA DAS RESPONSABILIDADES DO GESTOR PUBLICO. ENQUANTO ISSO EM SÃO PAULO….
    O governo quer acabar com a integração operacional gratuita existente há mais de duas decadas, escolhe geograficamente do ponto de vista eleitoral onde quer beneficiar os seus candidatos, exemplos: Zona sul de SP, não tinha integração, implantou, Aruja e região, zona leste fez acordo com o Kassab para não mexer em nada agora só depois da eleição e sabe quem vai pagar o pato???? Em Diadema, começou querendo cobrar R$ 2,00 baixou pra R$ 1,00 na promotoria após a conquista de liminar garantindo a gratuidade e multa de R$ 248 mil por dia, e após a prefeitura anunciar que não faria cobrança aos usuários, a EMTU apresentou proposta de cobrança de R$ 0,35 para ida, tambem não foi aceito.
    A procuradoria geral do estado, não aceitou a inclusão do item risco de negocios na razão de R$ 0,45, isto posto, a proposta apresentada pela EMTU restaria o valor global total a ser discutido a iniciar em R$ 0,55, considerando que a Prefeitura de Diadema já esta arcando com uma passagem integral, a quem deve absorver estes 0,55 centavos. Não resta duvida pra mim ao governo do Estado de SP. MOVIMENTO EM DEFESA DA INTEGRAÇÃO GRATUITA EM SAO PAULO.

Deixe uma resposta