CASO BUSSCAR: Lista de credores atualizada revela dívidas de R$ 870 milhões

onibus

Ônibus da Busscar. Atualização das dívidas da empresa dá conta que os débitos diretos com fornecedores, empregados e ex funcionários, empresas e bancos se aproximam de R$ 870 milhões. Empresa está em Recuperação Judicial e estima faturar R$ 335,6 milhões este ano até chegar a R$ 1,1 bilhão em 2016. Sindicato dos Mecânicos diz que dívidas podem ser maiores, já que os salários a partir de novembro não foram pagos e não fazem parte da conta da dívida da Busscar. Desde novembro os salários deveriam ser pagos pelo fato de a recuperação judicial ter iniciado em 31 de outubro. Foto: Adamo Bazani.

Atualização de lista de credores da Busscar aponta dívidas de R$ 870 milhões
Sindicato dos Mecânicos de Joinville contesta o fato de o valor que a diretoria teria a receber não ter sido atualizado. Em entrevista exclusiva ao Blog Ponto de Ônibus – Canal do Ônibus, novo presidente do sindicato diz que débitos podem ser maiores.

ADAMO BAZANI – CBN

A dívida da Busscar com fornecedores, bancos, trabalhadores e demais credores se aproxima de R$ 870 milhões, de acordo com lista divulgada nesta quarta-feira, dia 14 de março de 2012. Antes desta atualização, que inclui correção pela inflação e perda do valor partrimonial de alguns bens como maquinários, a dívida anunciada pela empresa foi de cerca de R$ 700 milhões.
Os R$ 870 milhões de débitos não incluem dívidas fiscais, que giram em torno de R$ 500 milhões, elevando o total a pagar da empresa para cerca de R$ 1,3 bilhão.
A maior parte dos débitos da empresa é com os bancos.
No plano de recuperação judicial da encarroçadora, iniciado pela empresa em 31 de outubro de 2011, para fugir da falência, a companhia propõe desconto no valor dos débitos. Para os trabalhadores, estes descontos chegam a 37% , para os bancos a 60% (com exceção do BNDES, que por ser entidade pública não pode dar este tipo de abatimento) e 95% para diretores e ex diretores.
Os descontos nos débitos têm provocado polêmica.
O Sindicato dos Mecânicos de Joinville chegou a pedir na 5ª Vara Cível da Comarca local a impugnação do plano de recuperação.
Por conta dos descontos e carência para os pagamentos, a entidade, que representa parte dos credores deve votar de forma contrária à proposta e se o plano não for aceito por unanimidade, a Justiça pode decretar a falência da Busscar que já foi uma das maiores encarroçadoras de ônibus do País. Fundada em 1949 pela família Nielson, que ainda controla a Companhia, chegou a disputar liderança com outras grandes marcas, como com a Marcopolo no segmento de rodoviários e Caio no setor de urbanos. Aliás, antes do início do plano de recuperação judicial, a Caio chegou a mostrar o interesse em comprar a Busscar, negócio que não foi aceito pela Justiça.
Pelo plano de recuperação, a Busscar prevê lucrar neste ano R$ 335,6 milhões, com a produção de 1,8 mil carrocerias de ônibus. A empresa só sairia do vermelho em 2014, com lucros limpos de R$ 30,2 milhões e em 2016 estaria no azul, com receita de R$ 1,1 bilhão e produção de 4,5 mil ônibus.
O Sindicato dos Mecânicos de Joinville contesta estas projeções e diz que estão fora da realidade de mercado.
A empresa se defende ao afirmar que tudo foi baseado em estudos aprofundados de mercado e sobre as finanças da companhia, feitos de forma independente.
Para este ano, a Busscar conta com o Programa de Financiamento à Exportação de Ônibus para a Guatemala que prevê recursos de R$ 400 milhões para as indústrias brasileiras enviarem veículos de transportes coletivos para os guatemaltecos. A Busscar teria participação neste total de R$ 130 milhões. Ocorre que o acordo ainda não foi finalizado e não há previsão de quando vai ser concretizado.
A crise na Busscar começou em 2008, quando a empresa disse ter sentido os efeitos da restrição mundial de crédito. Muitos financiamentos e dinheiro à disposição da companhia teriam sido reduzidos. A crise mundial iniciada em 2008 teve como um dos seus maiores marcos a falência do banco de investimento Lehman Brothers, um dos mais tradicionais dos Estados Unidos, fundado em 1850.
A quebra do Lehman Brothers foi sucedida pela “falência técnica” da maior seguradora norte-americana, a AIG – American International Group.
O Governo Norte-Americano chegou a injetar US$ 85 bilhões de dinheiro público para impedir que a AIG encerrasse suas atividades.
Alan Greenspan, então presidente do FED, Banco Central dos Estados Unidos, orientou investimentos no mercado imobiliário no ano de 2001. Eram oferecidas vantagens como juros baixos e redução nas despesas financeiras. Esta crise se reflete até hoje.
O governo norte-americano garantia os empréstimos para o financiamento de imóveis, o que atraiu instituições bancárias de todo o mundo. Foram criadas as hipotecas subprimes para famílias de baixo recurso e com risco de não conseguirem pagar os financiamentos.
Os bancos então criaram títulos negociáveis destes financiamentos baseados nos valores dos imóveis.
Mas em 2005, o FED, para controlar a inflação norte-americana, subiu os juros, o que fez com que os valores dos imóveis caíssem tornando impossíveis os refinanciamentos dos imóveis, cujas famílias também haviam perdido renda.
A onda de inadimplência foi grande e as instituições financeiras que compraram os títulos baseados nestes papéis se encontraram em dificuldades.
O sistema bancário mundial começou a sentir mais os efeitos da crise em agosto de 2007.
Para cobrir o rombo da inadimplência, as demais operações de crédito foram restritas.
Esse movimento foi sentido no Brasil e a Busscar disse ter sido vítima dele.
No entanto, o argumento dos críticos da Busscar é de que todos os segmentos passaram por esta crise, inclusive outras encarroçadoras, mas que somente a Busscar acabou se afundando na situação por erros administrativos e pela fragilidade da empresa. Entre 2002 e 2003, a Busscar já havia passado por outra crise, desta vez atribuída à flutuação no valor do Real e do Dólar, o que teria atrapalhado os negócios internacionais da empresa. Na época, a Busscar tinha conseguido auxílio do BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social. A suposta fragilidade em 2008 foi reflexo da crise de 2002 – 2003 que não teria sido resolvida completamente, segundo quem analisa o caso Busscar.
Quanto ao valor atualizado das dívidas diretas aos credores, que chega a R$ 870 milhões, o Sindicato contesta o fato de os valores que a diretoria teria a receber terem sido praticamente congelados, o que pode indicar, segundo a entidade trabalhista, que a diretoria esteja recebendo e sacando os valores, enquanto a maior parte dos funcionários da Busscar está sem receber há 23 meses.
A Busscar não respondeu a este questionamento. Hoje a empresa tem menos de mil funcionários na folha de pagamento, mas já chegou a empregar quase cinco mil pessoas. Todas elas têm dívidas a receber da encarroçadora.
A companhia diz que o ritmo de produção atual está dentro do esperado e que isso vai auxiliar na recuperação judicial.

REUNIÕES:

O Sindicato dos Mecânicos de Joinville tem realizado uma série de reuniões com os trabalhadores para explicar a posição da entidade sobre o plano de recuperação da empresa. O próximo encontro ocorre neste sábado, dia 17 de março, às 9 horas, na sede do sindicato que fica na rua Luiz Niemeyer, 184, no centro de Joinville.
A proposta dos sindicalistas é de que a Busscar, sem descontos nos débitos, pague a vista 50% do que os trabalhadores têm a receber e a outra metade em 12 vezes, o que é previsto pela Lei de Falências, de acordo com o sindicato dos trabalhadores.
Uma Assembleia Geral com os trabalhadores está prevista para ser realizada no dia 15 de abril, domingo, às 9 horas no Centro Desportivo do Sindicato, na Rua Rui Barbosa, 495, bairro Costa e Silva.
A Assembléia Geral dos Credores, que vai reunir trabalhadores, representantes de bancos, fornecedores e outras pessoas físicas e jurídicas que têm dinheiro a receber da Busscar, deve ser realizada no dia 15 de maio, numa terça-feira, quando o plano de recuperação da empresa será aprovado ou não pelos credores.

VALOR APRESENTADO PELA BUSSCAR NÃO LEVA EM CONTA SALÁRIOS DESDE NOVEMBRO:

O novo presidente do Sindicato dos Mecânicos de Joinville, em Santa Catarina, conversou na tarde desta quinta-feira, dia 15 de março de 2012, com a reportagem do Blog Ponto de Ônibus – Canal do Ônibus.
Evangelista dos Santos, que assumiu no lugar de João Bruggman, cujo mandato tinha alcançado seu prazo, disse que as dívidas diretas da Busscar podem ser maiores que os R$ 870 milhões, já que este valor calcula os atrasos nos pagamentos dos trabalhadores até 31 de outubro de 2011, quando teve início o Plano de Recuperação da encarroçadora.
“Uma empresa em recuperação judicial deve começar a pagar os salários a partir do início do plano. E isso não ocorre com a Busscar. As dívidas trabalhistas apresentadas pela empresa levam em conta só até dia 31 de outubro, mas em novembro, dezembro, janeiro, fevereiro e agora em março que está na segunda metade não houve pagamento de salários e isso não está na conta apresentada” – disse Evangelista ao repórter Adamo Bazani.
“Temos cerca de 2 mil processos trabalhistas e isso tem de ser calculado pela Justiça em relação ao plano de recuperação da Busscar” – complementa Evangelista dos Santos que reconhece que a Busscar está sim produzindo, mas muito abaixo do que seria suficiente para que a empresa se recupere de fato.
A reportagem tentou localizar representantes da Busscar mas não conseguiu encontrar quem pudesse comentar as afirmações do Sindicato dos Mecânicos de Joinville. No entanto, deixa o espaço aberto para que a empresa possa explicar sua versão neste momento que empresários de ônibus, indústria e famílias de trabalhadores buscam por informações isentas.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

19 comentários em CASO BUSSCAR: Lista de credores atualizada revela dívidas de R$ 870 milhões

  1. ESBALDINI TESTONI // 16 de Março de 2012 às 12:14 // Responder

    1 ) “Uma empresa em recuperação judicial deve começar a pagar os salários a partir do início do plano.
    R- Correto, desde que tenha caixa para isso.
    2 ) E isso não ocorre com a Busscar
    R- Correto, por falta de caixa
    3 ) As dívidas trabalhistas apresentadas pela empresa levam em conta só até dia 31 de outubro, mas em novembro, dezembro, janeiro, fevereiro e agora em março que está na segunda metade não houve pagamento de salários e isso não está na conta apresentada”
    R- Sr Evangelista, o senhor como um lider sindical, deveria ao menos ler a Lei 11.101, pois se tivesse dedicado a este simples fato, saberia que a divida tratada pela Lei é tão somente até a data da decretação da RJ. portanto as dividas criadas após a decretação do RJ, não vão mesmo fazer parte da lista de credores. Estas dividas criadas após a decretação da RJ, tem preferencia no caso de liquidação da compania, são as chamadas dividas extraconcursal, que tem inclusive preferencia sobre as trabalhistas.
    Art. 9o A habilitação de crédito realizada pelo credor nos termos do art. 7o, § 1o, desta Lei deverá conter:
    II – o valor do crédito, atualizado até a data da decretação da falência ou do pedido de recuperação
    Art. 84. Serão considerados créditos extraconcursais e serão pagos com precedência sobre os
    mencionados no art. 83 desta Lei, na ordem a seguir, os relativos a:
    I – remunerações devidas ao administrador judicial e seus auxiliares, e créditos derivados da legislação do trabalho ou decorrentes de acidentes de trabalho relativos a serviços prestados após a decretação da falência;
    II – quantias fornecidas à massa pelos credores;
    III – despesas com arrecadação, administração, realização do ativo e distribuição do seu produto, bem como custas do processo de falência;
    IV – custas judiciais relativas às ações e execuções em que a massa falida tenha sido vencida;
    V – obrigações resultantes de atos jurídicos válidos praticados durante a recuperação judicial, nos termos do art. 67 desta Lei, ou após a decretação da falência, e tributos relativos a fatos geradores ocorridos
    após a decretação da falência, respeitada a ordem estabelecida no art. 83 desta Lei.
    judicial, sua origem e classificação;
    Art. 83. A classificação dos créditos na falência obedece à seguinte ordem:
    I – os créditos derivados da legislação do trabalho, limitados a 150 (cento e cinqüenta) salários-mínimos por credor, e os decorrentes de acidentes de trabalho;
    II – créditos com garantia real até o limite do valor do bem gravado;
    III – créditos tributários, independentemente da sua natureza e tempo de constituição, excetuadas as multas tributárias;
    IV – créditos com privilégio especial, a saber:
    a) os previstos no art. 964 da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002;
    b) os assim definidos em outras leis civis e comerciais, salvo disposição contrária desta Lei;
    c) aqueles a cujos titulares a lei confira o direito de retenção sobre a coisa dada em garantia;
    V – créditos com privilégio geral, a saber:
    a) os previstos no art. 965 da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002;
    b) os previstos no parágrafo único do art. 67 desta Lei;
    c) os assim definidos em outras leis civis e comerciais, salvo disposição contrária desta Lei;
    VI – créditos quirografários, a saber:
    a) aqueles não previstos nos demais incisos deste artigo;
    b) os saldos dos créditos não cobertos pelo produto da alienação dos bens vinculados ao seu
    pagamento;
    c) os saldos dos créditos derivados da legislação do trabalho que excederem o limite estabelecido no inciso I do caput deste artigo;
    VII – as multas contratuais e as penas pecuniárias por infração das leis penais ou administrativas, inclusive as multas tributárias;
    VIII – créditos subordinados, a saber:
    a) os assim previstos em lei ou em contrato;
    b) os créditos dos sócios e dos administradores sem vínculo empregatício.
    § 1o Para os fins do inciso II do caput deste artigo, será considerado como valor do bem objeto de garantia real a importância efetivamente arrecadada com sua venda, ou, no caso de alienação em bloco, o valor de avaliação do bem individualmente considerado.
    § 2o Não são oponíveis à massa os valores decorrentes de direito de sócio ao recebimento de sua parcela do capital social na liquidação da sociedade.
    § 3o As cláusulas penais dos contratos unilaterais não serão atendidas se as obrigações neles
    estipuladas se vencerem em virtude da falência.
    § 4o Os créditos trabalhistas cedidos a terceiros serão considerados quirografários.

  2. bem,eu já estou a dois anos sem receber nada,não passei fome,prefiro que essa empresa vai a falencia tenho setenta mil para receber,digo não me fez falta,falencia já.

  3. A Busscar, só terá sucesso se mudar esta administração. Não adianta palavras, contra fatos não há argumentos. Se este país fosse sério e se suas leis fossem devidamente aplicadas, esta diretoria já estaria atrás das grades. O que fizeram contra os trabalhadores não tem palavras pra descrever. O que devem ao governo, em termos de impostos, inss etc..também não. Isso é mais uma prova que neste país o rico consegue se safar, enquanto que o pobre trabalhador, mesmo com um direito liquido e certo, não consegue receber. É urgente rever este tipo de coisa, para que isto não aconteça mais com nenhum trabalhador neste país. Que adianta a lei assegurar direitos se o judiciário não as aplica?

  4. É isso ai macarrone!!
    Falencia já, assim podemos receber um dia alguma coisa!!

  5. Testoni, quem deveria estar dando alguma resposta ao sindicato ou ao seus ex-funcionarios é o seu patrão, que mais parece um guri cagado que fica quietinho no seu canto sabendo que fez a ca…. mais não quer que os outros saibam!
    Alem do mais se não tem dinheiro para pagar os funcionarios, então pra quê vcs estão pedindo a recuperação judicial??
    vcs sabem muito bem que ao pedirem a recuperação tem que pagarem no máximo em 12 vezes, ou será que mais uma vez a empresa não sabia que isto faz parte do acordo??
    será que isto não é para ganhar mais um tempo ou seja mais um ano sem pagar ninguem alem dos dois anos não pagos??
    Sinceramente não sei mais o que pensar desta familia e seus seguidores…

  6. Angelo queiroz da silva // 25 de Março de 2012 às 10:36 // Responder

    Testoni é o Bobo da Corte, o Craudio manda, planeja, exemplo a Palhaçada em Brasília, monta um circo dizendo que é um movimento dos trabalhadores e quem executa é o mentecapto do Testoni.
    Ai osr Claudio fica com aquela cara de pastor. De bom moço .
    Ouçam o que eu falo; o Projeto Guatemala NÃO vai sair, nem para a Busscar, nem para os concorrentes, portanto o Plano d Busscar virou pó.
    Portanto, esperem tudo, o Cláudio é um fundamentalista, um xiita, é capaz de pegar um avião e jogar sobre a fábrica, enquanto a ameba do seu irmão fica com aquela cara de fotossíntese.

  7. MARCOPOLO E INDUSCAR MAIS PERTO DO NORTE do Estado de Santa Catarina.
    Joinville e Araquari são os municípios mais cotados para receber investimento de empresa que vai nascer da joint venture entre Marcopolo e Caio Induscar para construir componentes e carrocerias de ônibus para o mercado externo. Já estão acertados os benefícios fiscais oferecidos pelas prefeituras de ambas as cidades. Mesmo assim, a procura por imóveis – que tenham entre 300 mil m² e 500 mil m² – ocorre na região que vai desde Itapoá até Barra Velha. Na primeira fase, os gestores do negócio procuram espaços menores, com galpões de 2 mil m², para poder se instalar. Enquanto isso, está em andamento conversa com o governo estadual em relação aos incentivos fiscais constantes da política industrial do governo catarinense e o protocolo do registro na Junta Comercial do Estado de Santa Catarina (Jucesc). A decisão sobre qual cidade vai receber o investimento será anunciada em no máximo 30 dias.

  8. ouvir dizer,que o dinheiro vai sair agora dia 1 de abril….dia que nasceu o sr. claudio nilson…… PEGADINHA DO MALANDRO…..DIA DA MENTIRAAA!!!!!…ISSO VAI LONGE AINDA….TESTONI SEM CARATER>.nao tem dignidade,mercenario.nao honra a calça que veste,tem que levar uma surra,pra dx de ser puxa saco.ta ganhando pra defender o patraozinho (jaguara do bin laden)rsrsr

  9. dia 15 todos no na recreativa sindicato blz

  10. dia 1 de abril sai todo o dinheiro pessoal,PEGADINHA DO MALANDRO……DIA DA MENTIRA….ENTAO…PARABENS SR.CLAUDIO NILSON,PELO SEU DIA!O TESTONI E A 6 DUZIA DE SEGUIDORES DO BIN LADEM VAO CANTAR PARABENS PRP SENHOR.

  11. TESTONI VENDEU A ALMA PRO DIABO

  12. TESTONI TEM QUE LEVAR UMA SURRA PRA DX DE SER PUXA SACO

  13. GOSTARIA DE SABER QTS O TESTONI RECEBE PRA FALAR TANTAS MENTIRAS,DV GANHAR BEM…SE FOSSE PRA VC TESTONI: PENSE NA SITUAÇAO….SUA ESPOSA E O SR.CLAUDIO NILSON,DENTRO DO TITANIC,E A UMA VAGA SOMENTE SEU BOTE SALVA VIDAS…..QUEM VC SALVARIA?????SR.CLAUDIOXESPOSA?????DEIXE SUA OPNIAO!

  14. HEHEH…ULTIMA PESQUISA ESTA ASSIM……ESPOSA 7 VOTOS……SR.CLAUDIO NILSON 3242VOTOS

    • ESBALDINI TESTONI // 11 de Abril de 2012 às 15:49 // Responder

      Carlos tubo, cruzmalta, Angelo queiroz da silva,… não é com ameaças de surra que vocês irão me silenciar…
      No mundo civilizado os embates são feitos através dos diálogos, de pontos de vistas diferentes, de opiniões contraditórias, e não através da força bruta.
      Isto apenas mostra a deficiência em vossos caracter.

  15. testoni,se vc FOSSE UM BOM PROFISSIONAL COMO VC SE JULGA SE…,SR.HUMILDE…A EMPRESA NAO ESTARIA NESSA SITUAÇAO…CONCORDA??POR CAUSA DE PESSIMOS PROFISSIONAIS COMO VC..QUE A EMPRESA ESTA QUEBRADA…QUEM LEVAVA NAS COSTAS A EMPRESA..COM 500 ONIBUS POR MES..TRABALHANDO DIA E NOITE??..OS PEOES DE CHAO DE FABRICA..KD O LUCRO???..EU ADMIRAVA O SR. CLAUDIO NILSON…+ ELE E´`CERCADO DE…SANGUE-SUGAS..QUE SE APROVEITAM DA DESGRAÇA ALHEIA…EM BENEFICIO DO PROPRIO BOLSO…VC E…MUITO BOM COM AS PALAVRAS..COMO TODO BOM CORRUPTOR QUE SE PREZA..EX:EURICO MIRANDA..ROBERTO JEFFERSSON..PAULO MALUF..MARCOS VALERIO..FERNANDO COLLOR..RICARDO TEIXEIRA..EDIR MACEDO…VC E´UM FRACASSO COMO HOMEM E PROFISSIONAL…VC PD ATE TER ESTATUS…+ NAO TEM O PRINCIPAL DE UM HOMEM..O CARACTER..EU POSSO OLHAR DE CABEÇA ERGUIDA PRO MEUS FILHOS..E VC????E OUTRA VC TEM QUE SE AGARRAR NA BUSSCAR MESMO…POIS QUAL EMPRESA VAI QUERER UM PROFISSIONAL QUE JA VEM DE UM FRACASSO…TIRE DE EX A FAMILIA SCHENAIDER(CISER)TOME UMAS AULAS DE COMO TE SUCESSO NA VIDA EMPRESARIAL E PROFISSIONAL….VC PD TER CANUDO..+NA PRATICA VC E UM FRACASSADO…VC SE MANTEM COM UM SALARIO SUJO..ENQUANTO VC RECEBE..TEM UM MONTE DE PAI DE FAMILIA PASSANDO FOME..POR CAUSA .DE OTIMOS PROFISSIONAIS COMO VC…HEHEHE.

  16. kd a resp………?

  17. É isso ai pessoal vamos votar contra este plano de recuperação porque quem vai sair ganhando é estes safados da familia Nilson e nós vamos ficar numa pior novamente e se der sim a este plano de recuperação nós vamos perder nossos direitos de receber estes valores de uma só vez.
    Falencia ja para esta empresa.

  18. ta nas mão d deus ele resolve tudo pois ele é fiel

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: