GREVE DOS CAMINHONEIROS: Categoria promete restabelecer distribuição de combustíveis

greve caminhões

Caminhoneiros em greve prometem seguir determinação de justiça para restabelecer o fornecimento de combustível em são Paulo e Região Metropolitana. Mesmo assim, a categoria quer continuar negociando com a Prefeitura de São Paulo a flexibilização das restrições ao tráfego de caminhões e diz que a gestão de Kassab dá muitos privilégios ao transporte individual em detrimento do transporte público e de cargas.

Caminhoneiros decidem retomar distribuição de combustível
Categoria ainda protesta contra restrição de tráfego na Marginal Tietê, mas promete seguir determinação da Justiça sobre o restabelecimento do fornecimento de combustíveis

ADAMO BAZANI – CBN

Os caminhoneiros retomam gradualmente o fornecimento de combustíveis na Grande São Paulo e Capital Paulista.
A categoria promete não realizar os bloqueios como os vistos na terça-feira nas distribuidoras de São Paulo, ABC Paulista e demais municípios da região metropolitana.
Mas o abastecimento só deve ser normalizado no decorrer da semana.
Eles atendem determinação do juiz Emílio Migliano Neto, da 7ª Vara da Fazenda Pública do Tribunal de Justiça de São Paulo, que estabeleceu o retorno imediato da distribuição de combustíveis sob pena de R$ 1 milhão por dia contra os sindicatos que promoveram a paralisação, que teve início na segunda-feira.
Os caminhoneiros protestam contra medidas da prefeitura de São Paulo de restringir o tráfego de veículos de carga na Marginal Tietê.
Ontem as negociações ficaram mais tensas depois de o Prefeito Gilberto Kassab ter chamado os grevistas de chantagistas e de bandidos e malandros os que teriam provocado depredações em caminhões que tentaram sair às ruas.
Ao todo, Kassab proibiu a circulação de caminhões em 25 vias. O problema mais crítico é na Marginal Tietê.
De acordo com os caminhoneiros, a Marginal Tietê não tem alternativas para diversas rotas de entrega. Ela é entrada e saída para diversas rodovias.
Em alguns casos, para escapar da Marginal, os caminhoneiros teriam de aumentar em cerca de 100 quilômetros o trajeto.
Na visão da categoria, o que prejudica o trânsito na cidade não são os caminhões, mas o excesso de carros de passeio.
E a restrição aos caminhões vem justamente privilegiar o uso do carro particular, assim como ocorreu em 2010, quando Gilberto Kassab decidiu impor a restrição de circulação de ônibus fretados em São Paulo. Em vez de organizar os serviços, determinado rotas e pontos de parada específicos, Kassab achou mais cômodo encurtar as linhas de ônibus.
Como resultado, de início o trânsito melhorou nas vias onde passavam os fretados, mas muita gente que usava esse serviço ao ver as linhas diminuídas não migrou para os transportes públicos e voltou para os carros de passeio. Resultado: mais trânsito.
O prefeito também indicou a preferência pelos transportes individuais ao não construir praticamente um quilômetro sequer dos 66 quilômetros de corredores de ônibus prometidos em sua gestão.
Um dos Sindicatos responsáveis pela greve dos caminhoneiros, o Sindicam – Sindicato dos Transportadores Rodoviários de Bens Autônomos do Estado de São Paulo declarou que ainda quer continuar negociando com a Prefeitura de São Paulo.
GARAGENS DE ÔNIBUS:
Ontem verdadeiras operações estratégicas nas garagens de ônibus do ABC Paulista e da Capital tiveram de ser realizadas para que não faltasse diesel e os transportes de passageiros fosse garantido no dia de hoje.
Empresas com mais de uma garagem remanejavam a frota para abastecerem nos pátios com mais combustíveis, mesmo os veículos que não pertenciam a estas garagens foram deslocados para elas.
Alguns ônibus tiveram de abastecer em postos convencionais de rua.
A tática foi abastecer na rua para garantir os estoques, caso o movimento grevista persistisse e os produtos zerassem nos postos, como vem correndo.
A maior parte das garagens não recebeu ainda as encomendas de combustível.
A prioridade na retomada da distribuição será para transporte público, viaturas de polícia, ambulância e geradores de hospitais.
OS postos de combustíveis de rua ainda registram falta de produtos.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

2 comentários em GREVE DOS CAMINHONEIROS: Categoria promete restabelecer distribuição de combustíveis

  1. francisco celio pereira dos santos // 16 de Março de 2012 às 10:07 // Responder

    acho que o prefeito de são paulo gilberto kassab não gosta de caminhoneiros sera que não tem uma autoridade que possa fazer nada por nos. ate a estrada do campo limpo estar retrita nao é possivel. vou ter que ir embora para minha terra natal

  2. ESTA NA HORA DE COLOCAR ALGUNS POLITICOS PRA VIAJAREM COMO MOTORISTAS DE CAMINHOES, SO ASIM APRENDERAM A DAR O DEVIDO VALOR A CATEGORIA, POIS ESQUECERAM QUE SEM CAMINHAO E SEM MOTORISTAS O BRASIL PÁRA!!!!!!!!!!!!!!!!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: