GREVE DE ÔNIBUS EM CURITIBA: Mais uma reunião no TRT

Publicado em: 15 de fevereiro de 2012

Greve Curitiba

Ônibus em Curitiba. Mesmo com determinação da Justiça de frota mínima durante a greve dos motoristas e cobradores, esta cena de arquivo foi difícil de ser vista na prática. A determinação não foi seguida pelo Sindimoc, que responsabilizou a iniciativa própria dos motoristas em não tirarem os ônibus das garagens, Reunião no TRT busca consenso entre as partes quanto a índices de reajuste. Foto: Adamo Bazani.

Audiência de conciliação no TRT de Curitiba busca novo acordo
Ordem da Justiça para frota mínima não foi cumprida pelo Sindimoc, que representa os motoristas e cobradores

ADAMO BAZANI – CBN

Ocorre agora mais uma audiência de conciliação no TRT – Tribunal Regional do Trabalho, em Curitiba, para tentar colocar fim à greve dos motoristas e cobradores de ônibus, que foi iniciada na terça-feira, dia 14 de fevereiro de 2012.
Estão reunidos representantes do Sindimoc – Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana, do Setransp – Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana e da Urbs – Urbanização de Curitiba S.A.
A expectativa é que seja negociado um aumento salarial de cerca de 10%. O Sindimoc trabalha quer conseguir um índice próximo de 15%.
No início da greve, os motoristas e cobradores pediram aumento de 40% no valor dos salários e de 200% no vale-alimentação, além de outras reivindicações numa pauta de 54 itens.
O índice pedido inicialmente pelos motoristas foi considerado fora da realidade pelo prefeito Luciano Ducci.
Em entrevista à Rádio CBN de Curitiba nesta quarta-feira, Luciano Ducci não descartou “motivação política” para a greve justamente por causa do índice de 40% pedido atualmente.
O Setransp refutou os comentários de que a greve poderia beneficiar empresários de ônibus que, depois de aumentarem os salários, pediriam aumentos nas tarifas com índices superiores aos aplicados para a categoria.
O Sindimoc disse que o não cumprimento da determinação judicial de frota mínima não partiu do sindicato e que foi uma iniciativa dos trabalhadores.
Já diversos trabalhadores ouvidos pela reportagem da CBN Curitiba e Rádio Difusora de Curitiba disseram que houve piquetes nas portas das garagens para evitar a saída dos ônibus com a participação de lideranças sindicais.
Nesta terça-feira, o desembargador Altino Pedrozo dos Santos, propôs reajuste salarial de 8%, aumento para R$ 200 no vale-alimentação. Os trabalhadores, em assembleia realizada na Praça Rui Barbosa, acharam os valores insuficientes.

FROTA NÃO FOI CUMPRIDA:

O desembargador também determinou que o Sindimoc orientasse os motoristas no sentido de colocarem uma frota mínima em operação durante a greve. Seria, 70% dos ônibus operando nos horários de pico, das 05h00 às 08h30, das 11h00 às 13h00 e das 17h00 às 19h30. Nas demais horas, a frota deveria ser de 50%.
Mas quase nenhum ônibus trafegou. Na saída de algumas garagens foram registrados tumultos nas primeiras horas desta quarta-feira.
Já na madrugada de terça-feira, a juíza Patrícia de Fúcio Lages de Lima, da 11 ª Vara Cível, havia determinado frota de 80% nos horários de pico e 60% nos demais horários. Ontem o sindicato também não cumpriu esta determinação. Inicialmente, a entidade alegou que não tinha o número exato da frota para seguir a ordem. Mas a Urbs contestou alegando que este número seria fácil já que todas as garagens têm a sua quantidade de frota catalogada.
Depois, o sindicato contestou a legitimidade da determinação, pelo fato de ter sido expedida pela justiça comum e não pela justiça trabalhista.
O TRT determinou ontem multa de R$ 100 mil por dia em caso de não cumprimento da frota de ônibus, como tem ocorrido.
O Sindicato vai tentar a anulação desta multa ao alegar que a iniciativa de não tirar os ônibus das garagens foi dos trabalhadores e não da entidade.
Possíveis descontos nos salários pelos dias parados também fazem parte das discussões.

PREJUÍZOS À POPULAÇÃO:

Cerca de 2,5 milhões de pessoas foram prejudicadas por dia devido a greve de ônibus em Curitiba e Região Metropolitana.
Os ônibus envolvidos na greve prestam serviços na RIT – Rede Integrada de Transporte.
A RIT é um sistema unificado de ônibus que integra os transportes de Curitiba, Capital Paranaense, e das cidades vizinhas como São José dos Pinhais, Piraquara, Pinhais, Colombo, Almirante Tamandaré, Campo Largo, Araucária e Fazenda Rio Grande.
Com o valor de uma só passagem, é possível percorrer todos os municípios do sistema, independentemente do número de ônibus, viagens realizadas ou tempo de percurso. O Bilhete Único de São Paulo, por exemplo, permite o uso de 4 conduções num período de 3 horas.
Os serviços de Curitiba são divididos em diversas categorias:
Linhas Expressas: São operadas por veículos tipo biarticulados, na cor vermelha que ligam os terminais de integração ao centro da cidade, através das canaletas exclusivas. Embarques e desembarques são feitos em nível nas estações tubo existentes no trajeto.
Linhas Diretas (Ligeirinhos): Operam com veículos tipo padron, na cor prata, com paradas em média a cada 3km, com embarque e desembarque em nível nas estações tubo. São linhas complementares, principalmente das linhas expressas e interbairros. Há agora ônibus biarticulados azuis, considerador o maior modelo de ônibus do mundo, na cor azul, apelidados de Ligeirõpes.
Linhas Interbairros: São operadas por veículos tipo micro, comum ou articulados, na cor laranja que ligam terminais de integração aos bairros da região.
Linhas Troncais: Operam com veículos tipo padron ou articulados, na cor amarela, que ligam os terminais de integração ao centro da cidade, utilizando vias compartilhadas.

Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Comentários

  1. Sandra disse:

    Os motoristas e cobradores já deveriam ter recebido aumento de 40% faz tempo. Por que esperar pela greve? Afinal, quem acredita nos indices oficiais de inflação do governo? Só quem quer se aproveitar da situação (empresários que lucram não dando aumento justo aos seus funcionários e políticos corruptos) ou quem não paga as suas contas.
    De quanto foi o aumento dos congressistas (políticos)? Foi de 62%? Esse é o percentual de aumento que deveria caber a todos os trabalhadores, não importa a empresa.

  2. sao jose disse:

    é… que bom que

  3. sao jose disse:

    eu queria saber das pessoas responsaveis pelo transporte coletivo se 10% de aumento pra quem ganha um pouco mais de mil reais vai melhorar a vida dessas pessoas que tem a respo sabilidade de transporta centenas de pessoas em seus onibus eu penso que essas pessoas deveria receber um salario digno deverdade…

  4. jeramias disse:

    NÃO VÃO SE ESCONDER POR MUITO TEMPO… BODES…

Deixe uma resposta para blogpontodeonibus Cancelar resposta