O Brasil da Copa e o Brasil Real

atoeiro

Caminhão sendo puxado por trator em atoleiro na MT 208, em Nova Bandeirante, no Mato Grosso. As cidades de Alta Floresta, Nova Bandeirantes e Nova Monte Verde tiveram os serviços de ônibus que as ligavam reduzido. Em Nova Bandeirante, a situação é pior e pessoas chegam a acampar na rodoviária. O que acontece no Norte do Mato Grosso, que teve a situação agravada pela chuva, é comum em várias regiões do País. Um Brasil aparentemente com diferenças de realidade. Enquanto milhares de pessoas não têm acesso a emprego, renda, trabalho, saúde e educação por falta de transportes, nos grandes centros urbanos, em especial nas cidades que vão sediar a Copa, as discussões envolvem soluções em mobilidade que representam avanços e não podem ser deixadas de lado. Mas que exigem a utilização de grandes recursos, que poderiam solucionar de vez o isolamento de boa parte da população brasileira. Foto: 24 Horas News.

No Brasil de verdade, milhares de pessoas não conseguem se deslocar entre cidades próximas
No Norte do Mato Grosso, condição de rodovia deixa quase impossível a ligação entre os municípios de Alta Floresta, Nova Monte Verde e Nova Bandeirantes

ADAMO BAZANI – CBN

Trem Bala ou Trem de Alta Velocidade – TAV: um tipo de transporte ferroviário da mais alta tecnologia, que consegue atingir velocidades superiores a 300 quilômetros por hora. O Governo Federal vai financiar a construção de um trem bala no Brasil que deve custar entre R$ 33 bilhões e R$ 55 bilhões.
BRT – Bus Rapid Transit: sistema de corredores de ônibus exclusivos que incorporam tecnologia de ponta, tanto em monitoramento, como em veículos, com ônibus biarticulados e de piso baixo.
VLT – Veículo Leve sobre Trilhos: Sistema de bondes modernos de alta tecnologia, não poluente, com custos significativos de implantação.
Monotrilho: um meio de transporte muito usado na Ásia, por exemplo. Movido a eletricidade, o monotrilho circula por elevados, alguns com mais de 20 metros de altura.
Todos estes modais de transportes representam modernidade e avanços no setor de mobilidade e fazem parte das discussões não somente técnicas, mas que assumem um tom político e de promoção de imagens.
Enquanto nas cidades com mais recursos, em especial as que vão sediar a Copa do Mundo de 2014, discutem quais destes modais devem implantar e viram palco de disputas de interesses econômicos e políticos (ou os dois ao mesmo tempo), no Brasil além da Copa, milhares de pessoas não conseguem ter acesso à educação, renda, trabalho, emprego, saúde, não podendo se deslocar de uma cidade para outra, simplesmente pela falta de condições mínimas nas estradas. Se é que alguns caminhos de terra e atoleiro podem ser chamados de estradas.
É o que acontece na MT 208, no Norte de Mato Grosso.
Sem nenhuma estrutura, os transportes de cargas e de passageiros acabam virando missões quase impossíveis, o que impossibilita o desenvolvimento econômico das cidades servidas por esta estrada, a criação de emprego e renda e o tão propagado combate à pobreza.
As linhas de ônibus entre as cidades de Alta Floresta, Nova Monte Verde e Nova Bandeirante já tiveram redução de horários e itinerários, porque em alguns trechos da estrada, não é mais possível o tráfego dos veículos de transportes coletivos.
Os ônibus que partem de Alta Floresta para Nova Bandeirante só estão indo até Nova Monte Verde, isso quando conseguem completar o itinerário. A redução do itinerário se deu pelas duas empresas que operam a linha, tanto nas partidas do meio dia como das 18 horas.

Em Nova Bandeirante, os passageiros acabam acampando na rodoviária esperando se algum ônibus consegue chegar ao local.
O pior ponto da MT 208 é após o Rio São João em Nova Bandeirante, onde há um atoleiro que não permite o tráfego principalmente de veículos pesados como ônibus e caminhões. O único acesso é uma via de terra municipal, chamada Estrada do Radiador, que também possui atoleiros e buracos.
A temporada de forte chuva na região agravou a situação, mas antes mesmo de chover, as condições da estrada nunca foram consideradas boas.
De acordo com o Portal 24 Horas News, famílias estão isoladas na área e outros serviços de ônibus foram suspensos.
“A situação também não é boa nos mais de 3 mil quilômetros de estradas vicinais dos três municípios. Milhares de famílias ficam isoladas quase todos os dias, O ônibus que faz o itinerário entre Nova Bandeirantes, Japuranã e assentamentos do município também já não cumpre data e horário das viagens.
A Superintendência da Defesa Civil de Mato Grosso visitou 22 municípios atingidos pelas chuvas nas regiões Norte e Nordeste do Estado. Três equipes técnicas fizeram levantamentos “in loco” da situação destas cidades e decretaram a situação de Emergência em sete delas: Apiacás, Nova Monte Verde, Nova Bandeirantes, Santa Cruz do Xingu, Querência, Nova Nazaré e Rondolândia”
As passagens de ônibus entre Alta Floresta, Nova Monte Verde e Nova Bandeirante custam R$ 66. Os táxis oferecem esta ligação por R$ 700.
O exemplo do Norte do Mato Grosso é mais um dos vários que existem num Brasil real, onde a população nem tem conhecimento em sua maioria destas siglas como BRT, VLT, TAV, mas que sabe que tem direito a ir e vir, apesar de não tê-lo respeitado de fato.
Não se deve desprezar os investimentos em novas tecnologias e soluções de transportes, que trazem desenvolvimento. Mas o uso dos recursos públicos deve ser feito de maneira responsável, sem gastar a maioria das verbas em um modal ou demandas pontuais apenas porque aparecem mais na mídia e conferem uma visibilidade ao administrador público. E novidade dá notoriedade. Muita gente se elegeu assim, inclusive usando promessas relacionadas a tarnsportes.
Afinal, se os transportes trazem desenvolvimento, isso tem de ser para todos, não só onde seleções de futebol vão jogar.
Adamo Bazani, jornalista da Ràdio CBN, especializado em transportes.
Texto entre parênteses do 24 horas News: Sônia Maria.

8 comentários em O Brasil da Copa e o Brasil Real

  1. essa copa,sinceramente,q mais traz é irritação do q solução!alem dessa seleção muito ruim,os estádios em varias cidades serão”elefantes brancos”.já q em alguns estados,o futebol é de 4a divisão pra baixo.não se vai consertar em 4 anos,o q estragaram em 25 anos!

  2. Depois de ler a notícia acima me dirijo àqueles que eventualmente leem estes comentários com a mesma argumentação que Ricardo Boechat aplica na Rádio Band News: Por que as empresas de ônibus que atuam nesta estrada, e sofrem o que a notícia conta, não devolvem as suas concessões? Qual é a razão que faz que as empresas de ônibus se mantenham com a concessão?
    Não sei a resposta para as perguntas acima. Não sei quais são as empresas. Tentei uma busca rápida. Todas as notícias recentes falam no problema das estradas mas nenhuma empresa de ônibus é citada nominalmente.
    Enfim que as empresas de ônibus que operem nesta estrada devolvam a concessão para que o público de passageiros seja beneficiado. A lógica é que se as empresas de ônibus assim o fizerem a burocracia terá que se mexer.
    A pluviosidade na região é alta mesmo mas por esta notícia fica-se com a impressão que as autoridades e as transportadoras de passageiros foram surpreendidas pelas chuvas.
    Eu acho tudo isso muito lamentável. Bom dia.

    • As empresas não fazem transporte por caridade, e isso inclui não enfiar seus ônibus em atoleiros. Tudo bem então, elas devolvem as concessões, mas você acha que outra empresa vai fazer melhor que a sua antecessora?

  3. Lulla vendeu a Copa para os estrangeiros menos para o bem do povo e mais para os bolsos dos 300 picaretas com anel de dotôr.

  4. Não sou contra Copa, não sou contra novas tecnologias e transportes modernos.
    Sou contra o desrespeito com o dinheiro público (que falado assim, parece ser de ninguém, mas é meu, seu, de todos os pobres contribuintes); Também me coloco contrário aos discursos mirabolantes que se apegam em paixõe spopulares, como o futebol, para ganharem votos e fama.
    Assim, que as cidades – sede tenham o de melhor, mas que o povo como um todo, independentemente de morar ou não nestas sedes de jogos, tenham seus direitos assegurados.

    Pena, no entanto, que este mesmo povo, às vezes se ilude com os discursos dos Companheiros de que o Brasil terá a Copa como nunca antes na história deste País, ou se preocupe mais em saber onde está a Luiza …..

    COPA É UM ESPETÁCULO, UM EVENTO BONITO E O BRASIL MERECE, MAS TEM OUTRAS PRIORIDADES, POIS COPA SÓ DÁ LUCRO PARA A FIFA E JOGADORES….para os países, sempre representou gastos.

    E PODEM ESPERAR….PASSSOU COPA E OLIMPÍADA, O ASSUNTO TRANSPORTE VAI CAIR NO ESQUECIMENTO DE SEMPRE…..

    • Adamo:o povo Brasileiro é tão infantil,q só se preocupa com carnaval,futebol e onde está a Luiza.sei q voce trabalha numa emissora q não é simpatizante com o atual governo federal.mas essa imprensa percebeu q somos tão”alienados”q eles deitam e rolam nessa infantilidade e ignorancia.eu não me iludo com isso.como te falei,duvido por exemplo,q essa lei q”proibe”artiCOlados,permaneça depois da copa-2014!e concordo contigo nessa de”esquecimento” do transporte!

  5. Nenhuma emissora tem que ser simpatizante com governo nenhum. Tem que ter independencia para mostrar os fatos como são, e NÃO COMO O GOVERNO QUER …
    E nessa Copa, querendo ou não, qualquer erro vai ficar muito evidente, pois o mundo inteiro estará de olho no Brasil. Que mal consegue dar mobilidade, saude educação e segurança para o cidadão, pagador de impostos. Imaginem o que os turistas não vão achar daqui.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: